Com parceria da UNESCO, prêmio busca educadores que promovam inovação nas escolas

Grupos de dois a oito educadores, de todo o país, vinculados a escolas da rede pública ou privada, podem participar do Desafio Inova Escola, iniciativa da Fundação Telefônica Vivo que propõe capacitação para a implementação de inovações na educação formal.

Na imagem, crianças contempladas pelo programa Um Computador por Aluno. Foto: Presidência da República/Ricardo Stuckert

Na imagem, crianças contempladas pelo programa Um Computador por Aluno. Foto: Presidência da República/Ricardo Stuckert

Com a parceria da UNESCO, a Fundação Telefônica Vivo lança o Desafio Inova Escola, uma iniciativa que visa estimular processos inovadores na educação formal. A iniciativa não busca projetos já implantados, mas sim a elaboração de projetos colaborativos que desenvolvam um plano de inovação para atender às necessidades da escola nas diferentes dimensões do fazer educativo. Inscrições vão até 19 de agosto.

Grupos de dois a oito educadores, de todo o país, vinculados a escolas da rede pública ou privada, podem participar do desafio. A inscrição é gratuita e será realizada exclusivamente pelo site oficial da inciativa: https://www.desafioinovaescola.org.br.

Idealizado como parte das comemorações dos 20 anos da Fundação Telefônica Vivo, que tem a inovação educativa como eixo norteador, o Desafio Inova Escola integra o Programa ProFuturo. O projeto entende a inovação educativa como um caminho para a criação de novas respostas aos desafios de garantir qualidade e equidade na educação, conforme proposto pelo Objetivo de Desenvolvimento Sustentável nº 4 (ODS 4), da Agenda 2030 da ONU.

O Desafio conta com a parceria da Representação no Brasil da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação, do Conselho Nacional de Secretários de Educação e do Movimento de Inovação na Educação. A iniciativa também tem a coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária.

“Acreditamos que a construção colaborativa é a melhor forma de implantar novos conceitos na educação. Tudo na Fundação segue este fluxo e não seria diferente no desafio. Os parceiros foram fundamentais na construção de toda a metodologia, desde o fluxo de informações à validação de ideias. Todo o planejamento do Desafio Inova Escola foi uma construção coletiva, ouvimos especialistas, técnicos e escolas e cada um de nossos parceiros colocou sua experiência à disposição do projeto. Isso faz dele um prêmio ainda mais completo e especial”, explica Americo Mattar, diretor-presidente da Fundação Telefônica Vivo.

Entenda a seleção e a premiação

Ao realizar a inscrição no site do desafio, os educadores participam de uma trilha formativa — um curso gratuito composto por cinco módulos e que tem a finalidade de aprimorar e tornar realidade o que foi proposto na etapa de inscrição. Cada tarefa realizada sistematiza e forma o Plano de Inovação, documento que será avaliado ao longo do desafio. As atividades da trilha, online e presenciais, deverão ser realizadas por toda a equipe. Ao final, cada integrante receberá um certificado de participação individual com carga horária de 32 horas.

Em outubro, serão selecionados os 25 melhores projetos, sendo cinco de cada região do Brasil. Nesta fase, se os educadores desejarem, seus projetos passam a integrar o Movimento de Inovação na Educação e vão para a fase de Votação Popular, que vai reconhecer um projeto de cada região pelo seu potencial de mobilização.

Em novembro, durante a quarta edição do Fórum de Inovação Educativa, evento da Fundação Telefônica Vivo em parceria com o jornal Folha de S. Paulo, serão selecionados os cinco melhores projetos. Os escolhidos farão intercâmbio com outras instituições inovadoras e receberão assessoria técnica especializada e 10 mil reais para colocar em ação o plano de inovação, ao longo de 2020.