Com o tema ‘Igualdade para as mulheres é o progresso para todos’, ONU marca Dia da Mulher

Vídeo especial para a data internacional traz o depoimento de mulheres de Madagascar, Irlanda e Nepal. Acesse os depoimentos e dê sua opinião sobre a importância da data.

Uma mulher corta lenha no campo de Doro, no Sudão do Sul. A madeira usada para cozinhar e aquecer é muito escassa na área, mas sair para procurar lenha pode ser perigoso para as mulheres e meninas, mais vulneráveis a ataques. Foto: ACNUR/S. Rich/fevereiro 2013

Uma mulher corta lenha no campo de Doro, no Sudão do Sul. A madeira usada para cozinhar e aquecer é muito escassa na área, mas sair para procurar lenha pode ser perigoso para as mulheres e meninas, mais vulneráveis a ataques. Foto: ACNUR/S. Rich/fevereiro 2013

“Acho que os homens e as mulheres são muito parecidos, porque existem tantos homens diferentes e tantas mulheres diferentes. Acho que a principal diferença entre os homens e as mulheres são as expectativas sociais que são colocadas nas mulheres e as expectativas sociais que são colocadas nos homens.”

Este é um dos três depoimentos de um vídeo especial, em português e diversos outros idiomas, que a ONU e parceiros produziram para marcar o Dia Internacional da Mulher em 2014.

A data é lembrado todo 8 de março. O tema deste ano é “Igualdade para as mulheres é o progresso para todos”. Os depoimentos são de mulheres de Madagascar, Irlanda e Nepal.

“Homens e mulheres iguais? As mulheres são bem superiores”, diz a simpática mulher que vive no Nepal, acrescentando: “Não é verdade? Sem mulheres não há vida”.

O projeto acima – do fotógrafo Yann Arthus-Bertrand – chama-se “7 Bilhões de Outros” e começou em 2003, consistindo em cerca de 6 mil entrevistas filmadas em mais de 84 países, de forma a criar um retrato da humanidade e demonstrar o que nos une – e o que nos diferencia.

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas (UNRIC) para a Europa Ocidental e a equipe do “7 Bilhões de Outros” juntaram-se para lançar os vídeos no maior número de línguas possível em datas específicas.

Na sexta-feira (7), as Nações Unidas lançaram a campanha “Ele por Ela”, incentivando os homens a defenderem os direitos de suas mães, irmãs e filhas. Funcionários do alto escalão da ONU ressaltaram que os direitos humanos para meninas e mulheres não são um sonho, mas um dever de todos.