Com crise na Síria cada vez pior, ONU alerta que mais de 4 milhões de pessoas podem precisar de ajuda

“É previsível e é inevitável que mais e mais pessoas serão mortas, feridas e deslocadas, quanto mais este conflito durar”, disse o representante do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários.

Diretor de Operações do OCHA, John Ging, preside o Fórum Humanitário sobre a Síria, em Genebra, Suíça. (ONU/Jean-Marc Ferré)

Sem um fim à vista para o conflito na Síria, funcionários das Nações Unidas alertaram hoje (9) que mais de 4 milhões de pessoas podem estar precisando de ajuda humanitária no início do próximo ano e apelou para fundos urgentes destinados às operações de ajuda, especialmente quando as temperaturas começarem a cair na região.

“É previsível e é inevitável que mais e mais pessoas serão mortas, feridas e deslocadas quanto mais este conflito durar”, disse o Diretor de Operações do Escritório da ONU de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), John Ging, a jornalistas em Genebra, após a conclusão do Fórum.

“A cada dia mais e mais pessoas são mortas, mais e mais pessoas são feridas, mais e mais pessoas são deslocadas internamente, mais e mais pessoas têm as suas vidas e os seus meios de subsistência destruídos”, acrescentou Ging.

Cerca de 400 participantes dos Estados-Membros das Nações Unidas, organizações regionais, organizações não governamentais e agências humanitárias da Organização participaram do Fórum de hoje – a sexta reunião deste tipo desde o início da crise na Síria.

O conflito no país do Oriente Médio, que começou há 20 meses como uma revolta contra o presidente Bashar al-Assad, levou à morte de pelo menos 20 mil pessoas – a maioria civis – forçando cerca de 400 mil pessoas a irem para países vizinhos e deixando outras 2,5 milhões com necessidade urgente de assistência humanitária, de acordo com estimativas da ONU.