Com apoio do UNFPA, capacitação em políticas sociais aborda fluxos migratórios nas fronteiras brasileiras

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Estão abertas até 19 de junho as inscrições para a 15ª edição do Programa de Capacitação em População, Cidades e Políticas Sociais. Voltada para estudantes, sociedade civil e servidores públicos, a iniciativa acontece em Porto Velho, em Rondônia, com o apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Em 2018, projeto chamará atenção para os atuais fluxos migratórios chegando ao Brasil.

Venezuelanos que vivem na Praça Simón Bolívar, em Boa Vista, fazem fila para receber alimentos fornecidos por membros da comunidade local. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

Venezuelanos que vivem na Praça Simón Bolívar, em Boa Vista, fazem fila para receber alimentos fornecidos por membros da comunidade local. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

Estão abertas até 19 de junho as inscrições para a 15ª edição do Programa de Capacitação em População, Cidades e Políticas Sociais. Voltada para estudantes, sociedade civil e servidores públicos, a iniciativa acontece em Porto Velho, em Rondônia, com o apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Em 2018, projeto chamará atenção para os atuais fluxos migratórios chegando ao Brasil.

Pela primeira vez, o evento acontece em uma cidade do Norte do país. Ao longo dos dias 25 e 26 de junho, o programa abordará a transição demográfica dos centros urbanos brasileiros, a importância de indicadores sociais para a gestão pública e as migrações internacionais.

O projeto tem, por público-alvo, estudantes de graduação e pós-graduação, das áreas de urbanização, migração, desenvolvimento urbano e regional e assistência social, bem como profissionais de instituições do Governo Federal, Estadual ou Municipal, organismos não governamentais e movimentos sociais. São cem vagas, e o resultado da seleção será divulgado no dia 15 de junho, via e-mail. Os participantes deverão arcar com suas próprias despesas (transporte, hospedagem e alimentação). As inscrições são gratuitas.

Para o oficial de programa para População e Desenvolvimento do UNFPA no Brasil, Vinícius do Prado Monteiro, é fundamental pensar nas migrações de fronteiras sob a ótica da garantia de direitos.

“Essa edição visa discutir como os dados e indicadores das regiões de fronteiras ajudam a compreender os fluxos migratórios e, assim, garantir direitos em áreas como saúde sexual e reprodutiva, equidade de gênero e direito à cidade, sob a ótica da Agenda 2030”, explica.

Segundo a Secretaria Nacional de Justiça, em 2016, a Polícia Federal recebeu 10.308 solicitações de refúgio. Venezuela, Cuba, Angola, Haiti e Síria são as cinco principais nações de origem desses requerentes de asilo.

Para se inscrever na seleção para o programa, acesse https://goo.gl/forms/OGn047j9ZquuLfO33.


Mais notícias de:

Comente

comentários