Com apoio da OPAS, novo guia do Ministério da Saúde propõe dieta mais saudável para brasileiros

Merenda escolar no Centro Educacional Carneiro Ribeiro. Na foto, Silvanira Santos prepara a merenda. Foto: Flickr/Adenilson Nunes (Creative Commons)

Com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), o Ministério da Saúde lançou, na última quarta-feira (05), em Brasília, o novo Guia Alimentar para a População Brasileira. Mais do que um instrumento de educação alimentar e nutricional, o guia se insere dentro da estratégia global de promoção da saúde e do enfrentamento do excesso de peso, que já atinge mais da metade da população brasileira.

Diferente de sua versão de 2006, que indicava grupos alimentares e porções recomendadas, esta edição incentiva o consumo de alimentos frescos e minimamente processados, como arroz, feijão e frutas secas, e pede para evitar a ingestão de ultraprocessados – como macarrão instantâneo, salgadinhos de pacote e refrigerantes – para a obtenção de uma alimentação saudável e balanceada.

O processo de elaboração envolveu profissionais de saúde, educadores e representantes de organizações da sociedade civil de todas as regiões do Brasil. A conclusão contou ainda com o resultado de uma consulta pública que envolveu 436 participantes e recebeu 3.125 comentários e sugestões.

Prevenção de doenças

A intenção do Guia Alimentar é promover a saúde e a boa alimentação, combatendo a desnutrição, em forte declínio em todo o país, e prevenindo enfermidades em ascensão, como a obesidade, o diabetes e outras doenças crônicas, como AVC, infarto e câncer. Além de orientar sobre qual tipo de alimento comer, a publicação traz informações de como comer e preparar a refeição, e sugestões para enfrentar os obstáculos do cotidiano para manter um padrão alimentar saudável, como falta de tempo e inabilidade culinária.

Dados da pesquisa Vigitel 2013 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) indicam que atualmente 50,8% dos brasileiros estão acima do peso ideal e 17,5% são obesos. Os percentuais são 19% e 48% superiores que os registrados em 2006 – quando a proporção de pessoas acima do peso era de 42,6% e de obesos era de 11,8%.

Redigido em linguagem acessível, o Guia Alimentar se dirige às famílias diretamente e, também, a profissionais de saúde, educadores, agentes comunitários e outros trabalhadores cujo ofício envolve a promoção da saúde da população. A versão impressa do documento, com 151 páginas ilustradas, será distribuída às unidades de saúde de todo o país, e a versão digital estará disponível no portal do Ministério da Saúde.