Com apoio da OPAS, Brasil e Cuba, complexo hospitalar é inaugurado no Haiti

Objetivo é fortalecer e reestruturar sistema de saúde e de vigilância epidemiológica do país, abalado após o terremoto ocorrido em janeiro de 2010.

Foto: Rondon Vellozo/Ministério da SaúdeAconteceu no início desta semana em Bon Repos, no Haiti, a cerimônia de inauguração do complexo hospitalar que integrará a rede de assistência de média complexidade do país.

Estiveram presentes o presidente haitiano, Michel Josephy Martelly, o ministro da Saúde do Brasil, Arthur Chioro, o ministro da Saúde de Cuba, Roberto Tomaz Morales, o representante da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS) no Brasil, Joaquín Molina, além de outras autoridades locais.

A inauguração do complexo hospitalar é resultado da cooperação internacional entre Brasil, Cuba e Haiti e visa ao fortalecimento e à reestruturação do sistema de saúde e de vigilância epidemiológica do país, abalado após o terremoto ocorrido em janeiro de 2010.

O complexo está situado na região metropolitana de Porto Príncipe e é composto pelo Hospital Comunitário de Bon Repos, pelo Instituto Haitiano de Reabilitação e pelo Laboratório de Órteses e Próteses – estes últimos serão referência nacional no tratamento a pessoas com deficiências físicas (auditiva, visual, motora e mutilados).

O governo brasileiro investiu cerca de 25 milhões de reais nas obras e equipamentos. As unidades contam com serviço ambulatorial para a realização de consultas e pequenas cirurgias, atendimento a emergências e 52 leitos para internação, levando assistência a cerca de 250 mil haitianos em situação de vulnerabilidade.

A cooperação tripartite também realiza ações voltadas para a formação de recursos humanos e para a vigilância em saúde. Foram formados cerca de 380 agentes comunitários haitianos para atuar na Atenção Básica das regiões de Carrefour, Bon Repos e Beudet. Até o final do ano, a previsão é formar mil. Estão sendo investidos cerca de 5 milhões de reais na formação desses agentes e de outros 550 auxiliares de enfermagem.

Firmado em 2010 entre os governos do Brasil, de Cuba e do Haiti, o acordo tem como objetivo fortalecer a autoridade sanitária haitiana e reestruturar o sistema de assistência à saúde e de vigilância epidemiológica do país caribenho. O recurso total destinado à cooperação é de 67,5 milhões de dólares (aproximadamente 135 milhões de reais).

No Brasil, participam da ação o Ministério da Saúde, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), as universidades federais do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina (UFRGS e UFSC), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a OPAS.

Saiba mais clicando aqui.