Com a chegada do inverno, ONU reforça apoio humanitário no Iraque

“Precisamos urgentemente de roupas quentes e sapatos de inverno para um mínimo de 450 mil pessoas, incluindo 225 mil crianças”, afirmou uma representante da Organização no país.

Deslocados internos coletam pacotes de roupas de inverno e botas em um centro de distribuição do UNICEF em Mangesh, aldeia no norte do Iraque. Foto: OCHA/Iason Athanasiadis

Deslocados internos coletam pacotes de roupas de inverno e botas em um centro de distribuição do UNICEF em Mangesh, aldeia no norte do Iraque. Foto: OCHA/Iason Athanasiadis

A queda da temperatura no Iraque já é o primeiro indício da chegada do inverno e a ONU se apressa para conseguir reforço humanitário urgente para atender às necessidades de mais de um milhão de deslocados internamente no país.

“O inverno já chegou, e em muitas partes do país as populações deslocadas já estão sendo atingidas com as fortes chuvas, ventos, tempestades e temperaturas baixas,” explicou em um comunicado à imprensa a vice-representante especial do secretário-geral no Iraque, Jacqueline Badcock, nesta terça-feira (03). “Precisamos urgentemente de roupas quentes e sapatos de inverno para um mínimo de 450 mil pessoas, incluindo 225 mil crianças”.

Ao longo dos últimos meses, o Iraque tem sido novamente vítima da instabilidade crescente devido à ofensiva do Estado Islâmico, que tem potencializado a onda de deslocados internos e refugiados e estima-se que desde janeiro de 2014, aproximadamente 1,9 milhão de pessoas se deslocaram internamente na tentativa de fugir da violência e da perseguição do Estado Islâmico. De acordo com o OCHA, quase 50% dos deslocados encontraram refúgio nas áreas de maior altitude da região do Curdistão do Iraque, onde as temperaturas de inverno podem cair para bem abaixo de zero.

Badcock também lembrou o apelo lançado pelo Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) pedindo 173 milhões de dólares para suprir as necessidades imediatas de 1,26 milhão de refugiados internos. Já que muitos refugiados encontraram abrigo temporário em prédios em construção e assentamentos informais ao ar livre, ao OCHA estima que 46,4 milhões dólares sejam destinados apenas para “abrigo e itens relacionados”, enquanto 70,2 milhões sejam para alimentação.

“Sem este financiamento, a assistência alimentar de 1,8 milhão de pessoas vai acabar após janeiro de 2015”, alertou a vice-representante especial do secretário-geral no Iraque.