Colômbia: novo Congresso marca transição de grupo rebelde para a política, diz ONU

Missão da ONU recolhe armamentos em floresta colombiana. Foto: ONU/Hector Latorre

Celebrando a realização da primeira sessão de um novo Congresso na Colômbia, as Nações Unidas disseram na sexta-feira (20) que a inclusão de ex-rebeldes no corpo legislativo marcou sua transição “das armas para a política”.

Em comunicado à imprensa, a Missão de Verificação da ONU na Colômbia e outras operações das Nações Unidas no país disseram que “comemoram a instalação hoje do Congresso colombiano resultante das eleições legislativas mais participativas e pacíficas em décadas”.

Eles acrescentaram que a inclusão no Senado e na Câmara de representantes da Força Alternativa Revolucionária do Comum, nome do partido criado a partir da desmobilização da guerrilha das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), “marca a transição deste grupo das armas para a política e a transição do país do conflito para a busca pela reconciliação”.

Em 2016, o governo e as FARC assinaram um acordo de paz, encerrando um conflito de 50 anos. Em meados de março deste ano, as primeiras eleições legislativas após o acordo de paz foram realizadas, atraindo milhões de colombianos para as urnas.

As entidades da ONU observaram que os desafios da violência e da pobreza persistem nas áreas rurais do país, e disseram esperar que, “em um clima de harmonia nacional, o trabalho de um novo Congresso seja decisivo para a extensão da presença do Estado sob o império da lei e a consolidação da paz em toda a Colômbia”.