Colômbia: ‘Cessar-fogo é decisivo para acabar com conflito’, destaca ONU

Governo federal e Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) anunciaram que estão dispostos a estabelecer um cessar-fogo até o final do ano. ONU deve monitorar e verificar acordos.

Deslocada pelo conflito armado na Colômbia, essa família vive agora em Arjona, uma comunidade pobre, perto de Cartagena, na costa norte do país. Foto: IRIN / Kristy Siegfried

Deslocada pelo conflito armado na Colômbia, essa família vive agora em Arjona, uma comunidade pobre, perto de Cartagena, na costa norte do país. Foto: IRIN / Kristy Siegfried

As Nações Unidas elogiaram na última sexta-feira (30) a intenção expressada tanto pelo governo da Colômbia quanto pelas Forças Armadas Revolucionárias do país (FARC) de estabelecer um cessar-fogo bilateral até o final do ano.

Nos últimos 33 meses, as autoridades colombianas e o grupo revolucionário realizaram diálogos com o objetivo de pôr fim ao conflito que dura 51 anos e já deixou cerca de 250 mil vítimas.

“Isso (o cessar-fogo) é um passo decisivo rumo ao fim do conflito”, afirmou o porta-voz das Nações Unidas, Stéphane Dujarric.

De acordo com o líder do governo da Colômbia, Juan Manuel Santos, a ONU poderia mediar a trégua. “Apreciamos a confiança reiterada pelo presidente num papel das Nações Unidas no monitoramento e verificação do cessar-fogo”, disse Dujarric. A Organização tem trabalhado com a União das Nações Sul-Americanas (UNASUL) na criação de mecanismos de averiguação do cumprimento dos possíveis acordos.

“O secretário-geral (Ban Ki-moon) espera que os dois lados vejam a próxima rodada de diálogos em Havana como uma oportunidade para ir adiante nessa questão, assim como em outros problemas substantivos”, explicou o porta-voz, que acrescentou que o chefe da ONU reafirmou seu compromisso com o sucesso do processo de paz.