Cólera se espalha rapidamente na República Democrática do Congo e já atinge 3.000 pessoas

O cólera já provocou a morte de 192 pessoas desde março deste ano na República Democrática do Congo (RDC) e três mil pessoas estão contaminadas com a doença. O primeiro caso foi identificado na cidade de Kisangani, de onde se espalhou ao longo do Rio Congo, atingindo as províncias de Equateur, Bandundu e a capital, Kinshasa.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, informou hoje que a Organização Mundial da Saúde (OMS) tem ajudado o Governo do país a garantir o tratamento gratuito para os infectados, além de estabelecer pontos para cloração da água e a realizar uma campanha de promoção da higiene.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA) informou que, apesar de Bandundu continuar a ser a pior província afetada – com 1.271 casos e 72 mortes registradas no início deste mês – a doença está se espalhando rapidamente na capital.

A cólera é uma infecção intestinal aguda causada pela ingestão de alimentos ou água contaminados com a bactéria vibrio cholerae. Vômito e diarreia contínua são os principais sintomas que podem levar rapidamente à desidratação grave e à morte, caso o tratamento não seja administrado imediatamente. A doença continua sendo uma ameaça global e é um dos principais indicadores de desenvolvimento social, segundo a OMS.