Cinema pode mostrar importância do trabalho humanitário, diz Ban sobre novo filme de Sean Penn

Ao assistir ao novo filme dirigido por Sean Penn, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, enfatizou no domingo (19) a importância da indústria do entretenimento para ajudar a levantar discussões sobre as questões humanitárias no mundo.

Projeção do filme ocorreu às vésperas do início da Cúpula Mundial Humanitária, que começou nesta segunda-feira (23).

O ator norte-americano Sean Penn. Foto: Wikimedia Commons

O ator norte-americano Sean Penn. Foto: Wikimedia Commons

Ao assistir ao novo filme do ator Sean Penn como diretor, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, enfatizou no domingo (19) a importância da indústria do entretenimento para ajudar a levantar discussões sobre as questões humanitárias no mundo.

“Quando temos uma estrela global, a mensagem pode ir mais longe, sem limites”, disse Ban aos espectadores convidados à première do novo filme dirigido por Sean Penn, “The Last Face”.

Projetado às vésperas da abertura da Cúpula Mundial Humanitária, que ocorre em Istambul, na Turquia — conferência de dois dias dedicada a encontrar formas mais efetiva de aliviar e evitar o sofrimento dos mais vulneráveis —, o filme tem Charlize Theron e Javier Bardem no elenco, no papel de trabalhadores humanitários em dificuldades durante uma revolta civil em um país africano.

“O principal propósito de realizar a Cúpula Mundial Humanitária pela primeira vez na história das Nações Unidas é levantar (o alerta) sobre a importância, a seriedade, a urgência e a gravidade da situação”, disse Ban, acrescentando que líderes globais precisam se comprometer com ações globais.

Ele lembrou a visita ao Haiti depois do devastador terremoto de 2010, quando se encontrou com dezenas de milhares de pessoas vivendo sob condições extremamente difíceis em tendas temporárias. Em meio ao caos, notou um homem que tentava ajudar as vítimas. Não o reconheceu imediatamente, mas mais tarde ficou sabendo se tratar de Sean Penn.

“Eu não esperava ver uma celebridade, uma estrela de cinema mundial, no meio de tantos refugiados e deslocados. Fiquei emocionado”, disse Ban ao público, que aplaudiu. “Quando fui pela segunda vez (ao Haiti) ele ainda estava lá”, completou.

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon (direita) chega com o ator, diretor e ativista humanitário Sean Penn para a projeção de seu filme "The Last Face". Foto: ONU

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon (direita), chega com o ator, diretor e ativista humanitário Sean Penn para a projeção do filme “The Last Face”. Foto: ONU

Nesta segunda-feira (24), o secretário-geral da ONU reuniu-se com outras celebridades na abertura da cúpula, entre elas Forest Whitaker, enviado da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) para a Paz e a Reconciliação.

Juntos, eles pediram aos líderes mundiais que se comprometam às cinco principais responsabilidades relacionadas à Agenda para a Humanidade da ONU: evitar e pôr fim aos conflitos; respeitar as leis de guerra; não deixar ninguém para trás; trabalhar de formas diferentes para acabar com as necessidades humanitárias e investir na humanidade.

A partir desta segunda-feira, a cúpula reunirá pessoas interessadas em promover o sistema humanitário global. A expectativa é que o evento receba mais de 6 mil participantes.

Cúpula é tomada de consciência para questão humanitária

Algumas horas antes da abertura da primeira Cúpula Mundial Humanitária, autoridades das Nações Unidas enfatizaram no domingo (22) que o evento servirá como uma tomada de consciência para a ação em prol da humanidade, com o lançamento de novas iniciativas.

“Existe uma enorme necessidade de mostrarmos solidariedades àqueles que foram afetados por desastres naturais e desastres promovidos por humanos”, disse o vice-secretário-geral da ONU, Jan Eliasson, a jornalistas em coletiva de imprensa em Istambul.

“Esta conferência é sobre as vítimas, e sobre conseguirmos uma forma mais efetiva de ajudá-las”, completou, lembrando suas visitas recentes ao Nepal e ao Vietnã, onde se encontrou com comunidades vulneráveis para saber mais sobre suas necessidades.