Cinco diretores da ONU se unem em apelo humanitário pelo fim da guerra na Síria

Atualmente, mais de 9,3 milhões de pessoas são afetadas pela crise, agora em seu quarto ano, com mais de 2,4 milhões de refugiados sírios registrados na região.

Alimentos do PMA sendo distribuídos em Aleppo. Foto: OCHA/Gemma Connell

Fazendo mais uma vez uma chamado urgente às autoridades e à oposição sírias para que permitam a entrada da ajuda humanitária no país e interrompam o bombardeio de zonas densamente povoadas de civis, diversos diretores de agências da ONU lançaram, nesta quarta-feira (23), um “desafio para aqueles com poder e influência” para tentar acabar com o conflito na Síria.

Através de uma declaração conjunta, assinada pela Coordenadora do Socorro de Emergência, Valerie Amos; pelo diretor executivo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Anthony Lake; pelo alto comissário da Agência de Refugiados da ONU (ACNUR), Antonio Guterres; e pelos diretores da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Margaret Chan e Ertharin Cousin, respectivamente, eles lembraram que um apelo urgente lançado há um ano, em nome de milhões de pessoas, “ficou, em grande parte, sem resposta”.

“A guerra se agrava em muitas áreas. A situação humanitária se deteriora dia após dia”, disseram, acrescentando que para os civis remanescentes nas cidades enfrentando combates, como Aleppo e a Cidade Velha de Homs, “os piores dias ainda vão chegar”.

Atualmente, mais de 9,3 milhões de pessoas são afetadas pela crise, agora em seu quarto ano, com mais de 2,4 milhões de refugiados sírios registrados na região, de acordo com os últimos dados da ONU.