Cientistas da saúde reúnem-se em São Paulo para discutir objetivos globais da área

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Especialistas em informação de ciências da saúde analisarão nesta semana as contribuições da evidência e do conhecimento científico para o alcance da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, em particular na área da saúde.

Esse é o principal tema do 10º Congresso Regional de Informação em Ciências da Saúde, organizado pelo Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (Bireme), parte da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), e que ocorre até esta quinta-feira (6) em São Paulo.

Um menino de sete meses de idade é avaliado com desnutrição pela equipe do UNICEF em uma clínica de saúde apoiada pela agência da ONU no campo para deslocados internos em Muna Garage, Maiduguri, no estado de Borno, nordeste da Nigéria. Foto: UNICEF/Katerina Vittozzi

Um menino de sete meses de idade é avaliado com desnutrição pela equipe do UNICEF em uma clínica de saúde apoiada pela agência da ONU no campo para deslocados internos em Muna Garage, Maiduguri, no estado de Borno, nordeste da Nigéria. Foto: UNICEF/Katerina Vittozzi

Especialistas em informação de ciências da saúde analisarão nesta semana as contribuições da evidência e do conhecimento científico para o alcance da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, em particular na área da saúde.

Esse é o principal tema do 10º Congresso Regional de Informação em Ciências da Saúde, organizado pelo Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME), parte da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), concluído na quinta-feira (6) em São Paulo.

“Apreciamos suas orientações para ver como, através de um melhor acesso à informação, à evidência e ao conhecimento, podemos avançar para obter melhoras na saúde e no bem-estar das pessoas. Em particular, como podemos abordar as iniquidades que persistem nas Américas”, afirmou Carissa F. Etienne, diretora da OPAS, ao abrir o evento.

A diretora destacou a importância que o tema tem para a região e para o cumprimento de sua própria Agenda de Saúde Sustentável para as Américas 2030, que resume os principais alinhamentos acordados pelos países para alcançar diversas metas nos próximos anos.

Etienne também instou todos a avançar na estratégia de atenção primária de saúde, como base para o acesso e a cobertura universal. “Este chamado ressonou em todo o mundo, para que todas as pessoas possam desfrutar do maior padrão de saúde possível e alcançar seu potencial para levar vidas produtivas e dignas”, afirmou.

A diretora da OPAS disse ainda que o conhecimento e a evidência permitem à Organização expandir sua resposta no combate a doenças e assegurar o bem-estar de quem vive na região.

Ela sublinhou que o contexto complexo que atravessa as Américas na atualidade pode pôr em risco o ritmo de alcance das metas de saúde pública. “O trabalho de vocês pode nos dar contribuições importantes para preencher as lacunas de conhecimento e nos ajudará a tomar decisões complexas em todas as áreas”.

O CRICS 10 reúne especialistas em informação de países como Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Honduras, Espanha, Estados Unidos, Peru, Portugal e Suíça. Esses profissionais buscam contribuir com informações sobre distintos contextos mundiais, além de criar um espaço de aprendizagem, intercâmbio e socialização entre profissionais, estudantes e pesquisadores interessados na área de informação de saúde.

“A programação do CRICS 10 destaca a natureza transversal da informação, da evidência e do conhecimento na agenda 2030. A Bireme está pronta para desempenhar um papel muito importante no apoio à inovação e saúde digital, gestão do conhecimento e da informação, desenvolvimento de políticas e decisões em saúde pública baseado em evidência, ciência aberta, pesquisa e desenvolvimento da informação científica para alcançar cada uma das metas dessa agenda”, adicionou Etienne.

Previamente ao Congresso, realizou-se a 7ª Reunião de Coordenação Regional da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), onde houve um intercâmbio de experiência sobre esses projetos como modelo, estratégia e marco de trabalho cooperativo em informação e comunicação científica em saúde.

A primeira edição do CRICS aconteceu em 1992, no marco da reunião dos 37 países que integravam o Sistema Latino-Americano de Informação em Saúde, hoje a Rede BVS. Brasil, Costa Rica, Cuba, México e Estados Unidos foram países-sede em edições anteriores.

Centro ressalta importância de mapear boas práticas

Também presente no evento, o diretor do BIREME, Diego González, afirmou que os países latino-americanos e caribenhos têm ricas experiências, mas muitas vezes não publicam suas pesquisas e resultados.

“Com o registro, damos visibilidade às experiências. As redes podem aumentar a intersetorialidade das boas práticas e mostrar os impactos que elas tiveram, além de possibilitar sua reprodução e aplicação em outros contextos”, disse o especialista.

Na quarta-feira (5), segundo dia do CRICS10, os participantes acompanharam uma mesa redonda sobre gestão do conhecimento, encabeçada por Ian Roberts, coordenador da Biblioteca e Redes de Informação para o Conhecimento da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Para a OMS, o trabalho feito pela BIREME, de impulsionar informações e conhecimento sobre saúde pública, é uma inspiração. É muito importante e vai além das fronteiras dessa região. Estamos falando sobre tecnologias, técnicas e metodologias, mas no fim, estamos ajudando as pessoas a terem uma vida melhor”, ressaltou.

O Congresso também discutiu desafios nas áreas de inovação e saúde digital, ciência aberta e novas formas de produção de conhecimento e comunicação científica. Ao longo do evento, os participantes elaboraram e aprovaram a “Declaração de São Paulo em prol da democratização do conhecimento científico para o alcance dos ODS”. Em breve, o texto estará disponível na internet para receber contribuições em online.


Mais notícias de:

Comente

comentários