Cientista sueco é nomeado chefe de missão da ONU que vai investigar o uso de armas químicas

Cientista especializado em desarmamento e segurança internacional, Åke Sellström foi conselheiro das Nações Unidas sobre ações de desarmamento no Iraque.

Treinamento de resposta de emergência a armas químicas. Foto: OPAQ

Treinamento de resposta de emergência a armas químicas. Foto: OPAQ

A missão de investigação sobre o suposto uso de armas químicas na Síria será chefiada pelo cientista sueco Åke Sellström. O anúncio foi feito nesta terça-feira (26) pela ONU em Nova York, Estados Unidos.

Sellström, atualmente um gerente de projetos de um instituto de pesquisa sueco, é um “cientista com sólida formação em desarmamento e segurança internacional”, afirmou o Porta-Voz da ONU, Martin Nesirky.

Lecionou em universidades dos Estados Unidos e serviu como Diretor do Instituto Sueco de Pesquisa sobre Defesa e Segurança (FOI, na sigla em sueco). Também atuou em diversas oportunidades com a ONU, incluindo como conselheiro sênior para os presidentes dos órgãos das Nações Unidas que lidam com o desarmamento do Iraque.

A missão de investigação foi anunciada na quinta-feira (21) pelo Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, depois de receber um pedido formal do Governo sírio. Ban também recebeu solicitações da França e do Reino Unido para investigar uma série de incidentes com suposto uso de armas químicas na Síria.

Os termos de referência da missão estão sendo finalizados pela Organização para Proibição de Armas Químicas (OPAQ) em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A equipe será enviada ao país o mais breve possível.

O conflito na Síria começou em março de 2011 com um levante contra o Presidente Bashar al-Assad. Desde então, mais de 70 mil pessoas foram mortas e há mais de 3 milhões de deslocados internos no país. Cerca de 1,1 milhão de pessoas foram forçadas a buscar refúgio em nações vizinhas.