Chefe do UNICEF pede proteção de adolescentes em meio a protestos na Venezuela

Manifestante diante da Guarda Nacional da Venezuela, em protesto em maio de 2017. Foto: Wikimedia Commons/Efecto Eco

A diretora-executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Henrietta Fore, pediu neste mês (1º) que todos os envolvidos em manifestações na Venezuela protejam meninos e meninas da violência. Apelo veio após 15 adolescentes, com idade entre 14 e 17 anos, terem ficado feridos durante mobilizações em 30 de abril.

“Os protestos de rua potencialmente violentos na Venezuela estão expondo crianças e jovens a ferimentos e danos. Peço a todos os envolvidos que tomem medidas imediatas para proteger meninos e meninas de qualquer tipo de violência”, afirmou a chefe da agência da ONU.

Segundo Henrietta, os 15 adolescentes machucados representam uma estimativa mínima, com base em relatórios preliminares recebidos pelo organismo.

“O UNICEF ecoa o apelo do secretário-geral das Nações Unidas para que todos os lados atuem com a máxima moderação. As crianças e os jovens na Venezuela devem poder usufruir de seus direitos à saúde, à educação, à proteção e à participação com segurança e em todos os momentos”, enfatizou a dirigente.

Henrietta explicou que o trabalho humanitário do UNICEF na Venezuela busca atender às necessidades básicas de crianças e famílias. A organização e instituições parceiras estão fornecendo vacinas, tratamento antimalárico, kits de obstetrícia e suplementos vitamínicos e minerais. Além disso, a agência também provê água potável, itens de higiene e materiais educacionais e recreativos para estudantes.

Para ajudar as crianças a lidar com o estresse da violência, o UNICEF criou espaços para crianças em Caracas, Zulia e outros locais em todo o país.