Chefe de Operações de Paz da ONU visita República Democrática do Congo e propõe ‘força neutra’

Durante visita, que é parte da preparação para reunião na Assembleia Geral, Hervé Ladsous disse que a proposta de uma força neutra de paz está sendo considerada pela missão da ONU.

Manutenção da Paz chefe Hervé Ladsous analisa uma guarda de honra da missão da ONU na República Democrática do Congo, a MONUSCO. UN Photo / Penangnini Toure

A proposta de uma força neutra para ajudar a conter a violência no leste da República Democrática do Congo (RDC) está sendo considerada pelo setor de operações de manutenção da paz das Nações Unidas, é o que garante o chefe do Departamento de Operações de Paz das Nações Unidas (DPKO) e Subsecretário-Geral da ONU, Hervé Ladsous, que está visitando a região africana dos Grandes Lagos.

O conceito de uma força internacional neutra ao longo da fronteira entre Ruanda e a República Democrática do Congo foi proposto por países dos Grandes Lagos em uma cúpula regional em julho, após meses de violência na RDC, devido a operações de grupos armados — em particular nas províncias do Kivu do Norte e Kivu do Sul.

“O conceito deve ser desenvolvido e mais detalhado, embora ainda dependa do Conselho de Segurança se expressar sobre sua aprovação e implementação”, afirmou Ladsous, em uma coletiva de imprensa na cidade de Goma, na província de Kivu do Norte, localizada no leste da RDC, na terça-feira (11).

A visita de Ladsous é parte da preparação para uma reunião de Alto Nível sobre a região que ocorrerá no dia 27, em Nova York, no âmbito da Assembleia Geral. Depois de passar pela RDC, o representante da ONU chegou à capital de Ruanda, Kigali, ontem (12), e hoje (13) continua rumo a Kampala, Uganda.

“A República Democrática do Congo tem certamente experimentado, nos últimos meses, uma situação extraordinariamente complexa e triste, marcada por muito sofrimento e deslocamento considerável da população, devido à violência, assassinatos, estupros e insegurança”, Ladsous relatou a jornalistas.

Ladsous complementou dizendo que a Missão de Estabilização da ONU na RDC (MONUSCO) adotou, nos últimos meses, uma estratégia robusta de apoio às forças armadas congolesas para tentar conter a violência e que as discussões com altos funcionários, incluindo o Presidente da RDC, Joseph Kabila, tiveram como objetivo identificar novas soluções adequadas.