Chefe de direitos humanos da ONU lamenta nova alegação de abuso sexual na República Centro-Africana

Crianças na República Centro-Africana. Foto: IRIN/Hannah McNeish

A equipe da ONU na República Centro-Africana (RCA) tomou conhecimento no dia 30 de agosto de que uma menina foi abusada sexualmente cerca de um ano atrás por um membro da força militar francesa em uma localidade conhecida como Sangaris, de acordo com o chefe de direitos humanos da ONU.

Segundo relatos, a menina estava em sua plena adolescência na época do alegado abuso e deu à luz a uma criança em abril, disse o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, nesta quinta-feira (03). Essas alegações acontecem após casos reportados em agosto pelo grupo de direitos humanos Anistia Internacional, envolvendo tropas da Missão Multidimensional Integrada de Estabilização das Nações Unidas na República Centro-Africana (MINUSCA).

“Esta é a mais recente de uma série de acusações terríveis de exploração e abuso sexual por tropas estrangeiras na RCA”, disse o alto comissário, “embora este caso em particular não envolva soldados da ONU, houve uma série de outros casos no país – e em outros lugares – que os envolve. Nós simplesmente temos de encontrar formas de prevenir tais atos odiosos cometidos por qualquer soldado em um lugar onde ele supostamente estão para proteger as populações vulneráveis”.

O alto comissário, que se encontra neste momento de visita à RCA, disse que as autoridades francesas já foram informadas dessas últimas alegações e que as Nações Unidas estão disponíveis para assistir em qualquer investigação. E concluiu dizendo que “qualquer membro ou militar estrangeiro da ONU que for determinado como culpado deve receber sentenças proporcionais ao crime”.