Chefe de Agência da ONU para Refugiados chega ao Brasil; crise na Venezuela está na pauta

O alto-comissário da ONU para refugiados, Filippo Grandi, chegou ao Brasil nesta segunda-feira (19) para uma viagem oficial de dois dias. Ele participará da reunião de consulta da América Latina e do Caribe sobre o Pacto Global para Refugiados, que está sendo discutido pelos Estados-membros das Nações Unidas com o objetivo de enfrentar as crises humanitárias globais.

A situação dos refugiados venezuelanos, que têm entrado no Brasil para escapar da crise política e econômica no país, deve integrar as discussões de Grandi com autoridades em Brasília, incluindo o presidente brasileiro, Michel Temer.

Filippo Grandi visita refugiados do Sudão do Sul em Al Nami, ao leste de Darfur, no Sudão. Foto: ACNUR/Petterik Wiggers

Filippo Grandi visita refugiados do Sudão do Sul em Al Nami, ao leste de Darfur, no Sudão. Foto: ACNUR/Petterik Wiggers

O alto-comissário da ONU para refugiados, Filippo Grandi, chegou ao Brasil nesta segunda-feira (19) para uma viagem oficial de dois dias. Ele participará da reunião de consulta da América Latina e do Caribe sobre o Pacto Global para Refugiados, que está sendo discutido pelos Estados-membros das Nações Unidas com o objetivo de enfrentar as crises humanitárias globais.

A situação dos refugiados venezuelanos, que têm entrado no Brasil para escapar da crise política e econômica no país, deve integrar as discussões de Grandi com autoridades em Brasília, incluindo o presidente brasileiro, Michel Temer.

Até o momento, o Brasil já concedeu mais 8 mil vistos de residência temporária a venezuelanos que acessaram o território brasileiro. A informação foi dada à ONU News pelo porta-voz do ACNUR no país, Luiz Fernando Godinho.

Para o ACNUR, é clara a necessidade de proteção e assistência aos milhares de venezuelanos que estão chegando aos países vizinhos, forçados a deixar a Venezuela devido à instabilidade no país.

Segundo a agência da ONU, o Brasil tem dado bom exemplo ao manter suas fronteiras abertas e permitir que essas pessoas acessem o território brasileiro e apresentem seus pedidos de refúgio. Já são mais de 20 mil pedidos de refúgio feitos por venezuelanos no Brasil.

O ACNUR informou ainda que, em Brasília, Grandi também se reunirá com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e irá discursar na abertura da reunião regional no Palácio Itamaraty.

O porta-voz da agência disse ainda que a ONU valoriza a cooperação com o Brasil e com os demais países latino-americanos e caribenhos em seus sistemas de proteção a refugiados.

“Para o ACNUR, e também para o alto-comissário, a América Latina e o Caribe têm sido um exemplo de solidariedade, hospitalidade e cooperação em relação a essas pessoas que fogem de conflitos, de perseguições não só aqui com fora da região”, declarou Godinho.

“Existem novas causas de deslocamentos. Hoje, temos a violência de grupos criminosos organizados, existem questões relacionadas às mudanças climáticas, existem novos conflitos que surgem na região e que a impactam, e os países da América Latina e do Caribe têm continuado a expandir e a adaptar o seus sistemas de proteção para lidar com essas novas situações.”

Na tarde desta segunda-feira (19), Grandi concederá uma entrevista a jornalistas no Palácio Itamaraty e na terça-feira (20) participará da reunião regional.

Clique aqui para obter mais informações.

Sabia mais sobre Consultas Regionais sobre Refugiados