Chefe da UNESCO condena assassinato do jornalista brasileiro Robson Giorno

A diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, condenou nesta terça-feira (4) o assassinato do jornalista e político Robson Giorno, morto em Maricá (RJ) em 25 de maio. Giorno era fundador e o principal repórter do jornal O Maricá. De acordo com informações da imprensa brasileira, o profissional também era filiado ao partido Avante.

Robson Giorno. Foto: Arquivo pessoal

Robson Giorno. Foto: Arquivo pessoal

A diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, condenou nesta terça-feira (4) o assassinato do jornalista e político Robson Giorno, morto em Maricá (RJ) em 25 de maio. Giorno era fundador e o principal repórter do jornal O Maricá. De acordo com informações da imprensa brasileira, o profissional também era filiado ao partido Avante.

Em pronunciamento sobre o caso, Audrey disser ter confiança de que a investigação em curso levará à responsabilização dos autores do crime. “Isso é importante, uma vez que o jornalismo local traz uma contribuição inestimável para a democracia local e para o entendimento da mídia nacional sobre questões locais”, acrescentou a dirigente da agência da ONU.

A UNESCO promove a segurança dos profissionais de mídia por meio da conscientização, capacitação e iniciativas globais, que incluem principalmente o Plano de Ação da ONU sobre a Segurança de Jornalistas e o Problema da Impunidade.