Chefe da ONU visita Moçambique neste mês

A ONU confirmou que o secretário-geral António Guterres visitará Moçambique no próximo 11 de julho. O dirigente máximo das Nações Unidas terá reuniões com autoridades na capital Maputo e vai se reunir também com sobreviventes dos dois ciclones — o Idai e o Kenneth — que atingiram o país africano no primeiro semestre de 2019.

Secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Violaine Martin

Secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Violaine Martin

A ONU confirmou que o secretário-geral António Guterres visitará Moçambique no próximo 11 de julho. O dirigente máximo das Nações Unidas terá reuniões com autoridades na capital Maputo e vai se reunir também com sobreviventes dos dois ciclones — o Idai e o Kenneth — que atingiram o país africano no primeiro semestre de 2019.

O propósito da viagem de Guterres é fazer um balanço das ações de recuperação das áreas devastadas pelas duas tempestades tropicais. O Idai chegou a Moçambique entre os dias 14 e 15 de março. Pouco mais de um mês depois, a nação africana foi atingida pelo Kenneth, em 25 de abril.

Em maio, o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) estimava que, devido aos desastres naturais, em torno de 2,2 milhões de moçambicanos precisavam de assistência humanitária.

Em finais de abril, o secretário-geral da ONU já tinha dado indicativos de que aceitaria o mais rápido possível um convite feito pelo presidente moçambicano, Filipe Nyusi, para ir ao país.

Em 11 de julho, Guterres deve iniciar a sua visita em Maputo, com um encontro com Nyusi e altos-funcionários moçambicanos. No dia seguinte, o chefe da ONU segue para a cidade da Beira, epicentro da devastação provocada pelo Idai. Na localidade, o secretário-geral vai se reunir com sobreviventes, autoridades, funcionários das Nações Unidas e organizações da sociedade civil que apoiam o processo de recuperação e reconstrução das comunidades.

Ao longo de sua passagem por Moçambique, o secretário-geral também visitará um local de reassentamento para famílias deslocadas pelos desastres naturais.

A resposta humanitária apoiada pelas Nações Unidas envolve centenas de funcionários de diferentes agências. A Organização apoia o apelo orçamentário de 3,2 bilhões de dólares, solicitado por Moçambique para a fase de reconstrução. Em conferência realizada em maio, na Beira, o país recebeu promessas de 1,2 bilhão de dólares da comunidade internacional.

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM), não há registro em Moçambique de duas tempestades de tamanha intensidade para uma mesma temporada.


Comente

comentários