Chefe da ONU se reúne com líderes cipriotas grego e turco

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Depois de encontro no último domingo (4), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, anunciou que os dirigentes cipriotas grego e turco concordaram em retomar, ainda neste mês, a Conferência sobre o Chipre, realizada pela primeira vez no começo do ano. O encontro, impulsionado pela ONU, é parte dos esforços para conversações de paz.

Secretário-geral da ONU e líderes cipriotas grego e turco após reunião no último domingo (4), em Nova York. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Secretário-geral da ONU e líderes cipriotas grego e turco após reunião no último domingo (4), em Nova York. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Depois de encontro no último domingo (4), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, anunciou que os dirigentes cipriotas grego e turco concordaram em retomar, ainda neste mês, a Conferência sobre Chipre, realizada pela primeira vez no começo do ano. O encontro, impulsionado pela ONU, é parte dos esforços para conversações de paz do conflito que se arrasta há mais de 40 anos.

“Todos concordamos que o capítulo em segurança e garantias é de importância vital às duas comunidades”, Guterres afirmou em coletiva de imprensa na sede da ONU, em Nova Iorque, ao lado dos líderes cipriota grego, Nicos Anastasiades, e turco, Mustafa Akinci.

“Progredir nesse capítulo é um elemento essencial para atingir um acordo global e construir confiança entre as duas comunidades em relação à sua segurança futura”, disse.

Os líderes também concordaram em continuar agindo paralelamente com a negociação feita em Genebra para estabelecer uma federação, com igualdade política para um Estado de soberania, cidadania e personalidade internacional única. As negociações incluem território, propriedade, governança e divisão do poder.

O chefe da ONU e os cipriotas também concordaram que todos os acordos sejam negociados de maneira interdependente, conforme a articulação conjunta na declaração de 11 de fevereiro de 2014.

Guterres observou também que o conselheiro especial da ONU, Espen Barth Eide, se dedicará, junto com todos os participantes, a preparar um documento comum para guiar as discussões relacionadas à segurança e garantia de direitos, baseado no resultado dos encontros na conferência em Chipre, Genebra e Monte Pellegrino.

Na sequência dessa reunião, o secretário-geral estará em diálogo com os outros participantes da conferência: Grécia, Turquia, Reino Unido e União Europeia como observadora.


Comente

comentários