Chefe da ONU pede a venezuelanos que retomem o diálogo político e evitem novas mortes

Em pronunciamento nesta terça-feira (1º), o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu a todos venezuelanos, em especial os que representam o Estado, que evitem recorrer à violência e que façam todo o esforço possível para retomar o diálogo político. O dirigente informou ter tomado conhecimento da decisão do Judiciário de revogar os mandados de prisão dos líderes da oposição Leopoldo López e Antonio Ledezma, detidos ontem por forças de segurança.

Manifestações da oposião em Caracas. Foto: EBC

Manifestações da oposião em Caracas. Foto: EBC

Em pronunciamento nesta terça-feira (1º), o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu a todos venezuelanos, em especial os que representam o Estado, que evitem recorrer à violência e que façam todo o esforço possível para retomar o diálogo político. O dirigente informou ter tomado conhecimento da decisão do Judiciário de revogar os mandados de prisão dos líderes da oposição Leopoldo López e Antonio Ledezma, detidos ontem por forças de segurança.

Segundo informou o porta-voz do chefe da ONU, Stéphane Dujarric, “o secretário-geral manifesta sua preocupação de que uma escalada de tensões políticas possa acabar distanciando o país de caminhos que levem a população a achar soluções pacíficas para seus desafios”.

Guterres fez um pedido urgente a “todos os venezuelanos, particularmente aos que representam o Estado, para fazer todo o esforço possível para diminuir as tensões, prevenir novos episódios de violência e perdas de mais vidas e retomar o diálogo político”.

“O secretário-geral reafirma a confiança de que há uma necessidade urgente de negociação política entre o governo e a oposição”, disse o porta-voz. Na mensagem, Guterres diz ainda que “reconhece os esforços dos mediadores e líderes internacionais e regionais que têm apoiado tanto o governo quanto a oposição, tentando chegar a um acordo, e reitera seu total apoio”.

Mais cedo, o alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, havia publicado uma declaração na qual pedia ao governo venezuelano a “liberação imediata de todos aqueles detidos por exercer seus direitos de liberdade de manifestação, associação e expressão pacíficas”.

Al Hussein expressou “profunda preocupação” com as notícias de que os dois líderes da oposição teriam sido tirados das suas casas por autoridades venezuelanas. “Instamos urgentemente às autoridades a não piorar uma situação extremamente volátil por meio do uso da força, incluindo batidas e invasões policiais violentas em domicílios, em várias partes do país”, afirmou o alto-comissário.

O dirigente reiterou o posicionamento anterior do Escritório de Direitos Humanos da ONU, o ACNUDH, que cobrou na segunda-feira (31) investigações rápidas, independentes e eficazes das mortes de pelo menos dez pessoas, registradas ao longo da semana passada.