Chefe da ONU condena sequestro de três israelenses e presta solidariedade ao povo de Israel

Em 12 de junho, três jovens foram raptados na região da Cisjordânia. O ato pode reavivar as tensões entre os povos israelense e palestino.

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon (direita), se encontra com o presidente de Israel, Shimon Peres. Foto: ONU/Evan Schneider

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon (direita), se encontra com o presidente de Israel, Shimon Peres. Foto: ONU/Evan Schneider

Após o sequestro de três estudantes israelenses, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, reafirmou neste domingo (29) sua solidariedade com o povo israelense e condenou o uso de táticas terroristas em países do Oriente Médio e de todo o mundo.

“Sob quaisquer circunstâncias ou por quaisquer razões, atos como este são justificáveis”, disse Ban durante um encontro com o presidente israelense Shimon Peres na sede da ONU, em Nova Iorque. O secretário-geral lembrou que a Organização considera o sequestro de crianças algo muito sério e que fará tudo o que estiver ao seu alcance, em cooperação com parceiros internacionais, para ajudar.

“Eu presto novamente toda a minha solidariedade, primeiro, para os jovens que foram sequestrados e que devem estar enfrentando dias terríveis e, segundo, para suas famílias, amigos e todo o povo de Israel”, afirmou Ban, que também destacou a importância de se evitar uma escalada de tensões por causa dos raptos.

Três adolescentes foram raptados na Cisjordânia, próximos à cidade de Hebron, no dia 12 de junho. Desde então, há relatos de que mais de 200 palestinos foram detidos na região dentro das operações de segurança realizadas por Israel.