Chefe da ONU condena ataque realizado pelo Al-Shabaab contra a Missão da União Africana na Somália

Grupo terrorista atacou base da Missão na cidade de El Adde, na região de Gedo, na Somália. O Conselho de Segurança da ONU destacou a necessidade de levar os responsáveis à justiça.

Tropas da União Africana na região de Gedo, na Somália. Foto: União Africana / ONU /Mahamud Hassan

Tropas da União Africana na região de Gedo, na Somália. Foto: União Africana / ONU /Mahamud Hassan

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, condenou o ataque terrorista a uma base da Missão da União Africana na Somália (AMISOM), ocorrido na manhã desta sexta-feira (15). O atentado foi realizado pelo Al-Shabaab na cidade de El Adde, na região de Gedo. O Conselho de Segurança da ONU também criticou a ação do grupo terrorista.

Ban Ki-moon afirmou que “esse ataque não vai diminuir a determinação das Nações Unidas em trabalhar de mãos dadas com a União Africana e a AMISOM para apoiar o povo e o governo da Somália”, de acordo com seu porta-voz. O chefe da ONU elogiou os esforços das tropas da Missão, que trabalha pela paz no país.

O Conselho de Segurança destacou seu apoio pleno ao mandato da AMISOM, cujas operações buscam reduzir a ameaça representada pelos terroristas do Al-Shabaab e por grupos armados de oposição na Somália. O organismo da ONU ressaltou a necessidade de levar os perpetradores do atentado à justiça e expressou sua gratidão pela bravura e pelos sacrifícios da equipe da AMISOM. Para o Conselho, também é fundamental a implementação de medidas capazes de impedir e suprimir o financiamento dos extremistas.

O representante especial da presidente da Comissão da União Africana para a Somália, Francisco Madeira, também se pronunciou a respeito do atentado. “Ataques como esse demonstram, mais ainda, a natureza vil do Al-Shabaab, cujo único propósito é disseminar o terror e dar continuidade à desestabilização da Somália. Nossa determinação só pode ser rejuvenescida para lutarmos até que a Somália esteja liberta de todos os elementos do terror”, disse.