Chefe da Missão da ONU no Afeganistão condena assassinato ‘hediondo’ de 12 civis, mortos pelos talibãs

Todas as vítimas moravam no mesmo vilarejo na província de Farah e estavam a caminho do trabalho quando os talibãs atiraram, deixando 12 mortos e quatro feridos.

Representante especial e chefe da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA), Ján Kubiš. Foto: UNAMA/Eric Kanalstein

Representante especial e chefe da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA), Ján Kubiš. Foto: UNAMA/Eric Kanalstein

A Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA) condenou firmemente nesta segunda-feira (1) o assassinato deliberado de 12 civis no oeste da província de Farah. Os talibãs assumiram a responsabilidade deste ato em seu site.

Segundo o comunicado à imprensa da UNAMA, no último sábado (30), o grupo atirou deliberadamente em 16 trabalhadores, matando 12 e deixando quatro feridos em Qala-e-Kah, distrito da província de Farah. Todas as vítimas moravam no mesmo vilarejo e estavam a caminho do trabalho quando os talibãs pararam seus veículos e atiraram.

“Esses assassinatos hediondos constituem crimes de guerra e espalham o terror na população civil”, disse o representante especial do secretário-geral para o Afeganistão e chefe da UNAMA, Ján Kubiš. “O talibã deve parar imediatamente de alvejar e matar deliberadamente civis.”

A UNAMA reiterou que estes ataques contra civis constituem sérias violações do direito internacional humanitário, que todos as partes do conflito armado – incluindo as forças anti-governamentais – devem respeitar.