Chefe da FAO é eleito um dos latino-americanos mais influentes do mundo por periódico econômico

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o brasileiro José Graziano da Silva foi eleito um dos latino-americanos mais influentes do mundo pela revista América Economia. Periódico reconheceu trabalho do dirigente contra a fome e a favor da cooperação Sul-Sul.

O brasileiro José Graziano da Silva é diretor-geral da FAO. Foto: FAO

O brasileiro José Graziano da Silva é diretor-geral da FAO. Foto: FAO

Diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o brasileiro José Graziano da Silva foi eleito um dos latino-americanos mais influentes do mundo pela revista América Economia. No ranking “Latino-americanos Globais 2016″, publicado recentemente pelo periódico, o chefe da agência da ONU foi reconhecido pelo trabalho contra a fome e por promover a cooperação Sul-Sul.

Graziano é elogiado pela América Economia pelo envolvimento na luta contra a insegurança alimentar. “O reconhecimento das pessoas é o reconhecimento das ideias e das causas pelas quais dedicam a vida. Nesse caso, trata-se de um reconhecimento ao desenvolvimento rural na luta contra a fome na América Latina e em todo o mundo”, afirmou o chefe da FAO a respeito da indicação.

O ranking da revista destaca ainda o trabalho de Graziano para expandir o intercâmbio de soluções técnicas entre países do hemisfério Sul, tendo em vista modelos de desenvolvimento mais sustentáveis.

Outros latino-americanos influentes

A lista também reconhece a liderança do Papa Francisco, que tem acompanhado de perto os esforços da FAO para fortalecer os vínculos entre a paz e a segurança alimentar, o combate às mudanças climáticas e o desenvolvimento sustentável.

Outros latino-americanos selecionados para o ranking foram o presidente do Massachusetts Institute of Technology (MIT), Rafael Reif, e o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), o também brasileiro Roberto Azevêdo.


Mais notícias de:

Comente

comentários