Cerca de cinco milhões de iemenitas necessitam de assistência alimentar, alerta nova pesquisa da ONU

Doze províncias estão com níveis críticos de nanismo, uma condição causada por desnutrição crônica em que as crianças não conseguem crescer adequadamente ao longo do tempo e não atingem o seu potencial físico e mental.

As famílias deslocadas em Saada, no Iêmen, que recebem assistência alimentar do PMA. Foto: PMA/Atheer Najim

As famílias deslocadas em Saada, no Iêmen, que recebem assistência alimentar do PMA. Foto: PMA/Atheer Najim

Mais de 10 milhões de iemenitas, o equivalente a uma cifra superior a 40% da população, não sabem de onde virá sua próxima refeição, destacou uma nova pesquisa realizada pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA) e pelo Fundo da ONU para Infância (UNICEF), nesta terça-feira (15). Apesar do declínio do nível de insegurança alimentar no Iêmen de 45% em 2012 para 41% neste ano, a “Pesquisa Completa sobre Segurança Alimentar” mostra que as taxas de desnutrição aguda ainda são críticas em quase todo o país.

“Estou triste com essas contínuas taxas altas. A nova operação do PMA, que irá alimentar seis milhões de pessoas, tem como objetivo resolver este problema”, disse o diretor do PMA no país, Bishow Parajuli. “Estamos agora mais focado na construção de modos de vida sustentáveis ​​e de resiliência, para que as pessoas sejam capazes de se ajudarem”, ressaltou.

De acordo com a pesquisa, cerca de 5 milhões de pessoas encontram-se em estado de insegurança alimentar grave e sofrem de níveis de fome onde a assistência alimentar externa é geralmente necessária. As áreas rurais são as mais afetadas.

Além disso, a prevalência da desnutrição crônica entre crianças menores de cinco anos está além do estado “crítica” estabelecido internacionalmente. Doze províncias estão com níveis críticos de nanismo, uma condição causada por desnutrição crônica em que as crianças não conseguem crescer adequadamente ao longo do tempo e não atingem o seu potencial físico e mental.

“As crianças continuam a ser as mais vulneráveis ​​em termos de insegurança alimentar e desnutrição no Iêmen”, disse o representante do UNICEF no país, Jeremy Hopkins. “Mais de duas de cada cinco crianças menores de cinco anos são raquíticas, de um total de 4,5 milhões, enquanto quase 13% sofrem com desnutrição aguda”, alertou ele, acrescentando que o UNICEF vai continuar com a parceria com o PMA para garantir uma resposta conjunta para lidar com a desnutrição aguda grave e moderada, especialmente nas áreas de maior necessidade no país.