Cerca de 20 mil mulheres e meninas estão em risco de sofrerem violência sexual no Iraque, diz ONU

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) também alertou que de um milhão de deslocados no Iraque, 60 mil mulheres grávidas precisam de cuidados de saúde urgentes.

Irmãos encontram abrigo em uma escola em Dahuk, no Iraque, depois de fugir de recentes conflitos. Foto: ACNUR/S. Baldwin

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) afirmou, nesta terça-feira (01), que cerca de 20 mil mulheres e meninas no Iraque correm o risco de serem vítimas de violência sexual, devido a crescente onda de violência no norte e oeste do país. O UNFPA também alertou que de um milhão de deslocados no país, 250 mil são mulheres e meninas, incluindo 60 mil grávidas que precisam de cuidados de saúde urgentes.

“Devemos agir imediatamente para garantir que as mulheres e meninas sejam protegidas da violência sexual”, disse o diretor executivo do UNFPA, Babatunde Osotimehin, ressaltando que a comunidade internacional deve agir o quanto antes e não esperar que os casos sejam contados e documentados.

Cerca de mil mulheres grávidas devem enfrentar complicações no parto com risco de vida. Em Erbil, onde milhares procuram abrigo, os atendimentos na maternidade dobraram desde o início da crise com mais de 50 partos normais e até 20 cesarianas diariamente.

Kits de saúde reprodutiva e para partos suficientes para oferecer cuidados obstétricos de emergência para até 1.200 atendimentos – cobrindo as necessidades de algumas semanas – foram doados pelo UNFPA ao hospital de Erbil. Em Dahuk, serão distribuídos kits de prevenção para mais de duas mil mulheres e meninas em acampamentos e comunidades de acolhimento.