CEPAL realiza diálogo em Cuba sobre trajetória para o desenvolvimento sustentável

A secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, reafirmou na segunda-feira (7) o compromisso do organismo regional das Nações Unidas de acompanhar Cuba, assim como o conjunto dos países-membros do organismo regional, em seu percurso rumo ao desenvolvimento sustentável, às vésperas da abertura do 37º período de sessões da CEPAL, dedicado ao país anfitrião e que ocorre até sexta-feira (11) em Havana.

Durante o Dia Nacional, organizado pelo governo cubano para analisar a contribuição da CEPAL ao pensamento econômico e social da América Latina e do Caribe, Bárcena avaliou os progressos feitos por Cuba na implementação da Agenda 2030 e seu compromisso com um enfoque integral em matéria de desenvolvimento.

Rua em Havana, capital de Cuba. Foto: Radmilla Suleymanova

Rua em Havana, capital de Cuba. Foto: Radmilla Suleymanova

A secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, reafirmou na segunda-feira (7) o compromisso do organismo regional das Nações Unidas de acompanhar Cuba, assim como o conjunto dos países-membros do organismo regional, em seu percurso rumo ao desenvolvimento sustentável, às vésperas da abertura do 37º período de sessões da CEPAL, dedicado ao país anfitrião e que ocorre até sexta-feira (11) em Havana.

Durante o Dia Nacional, organizado pelo governo cubano para analisar a contribuição da CEPAL ao pensamento econômico e social da América Latina e do Caribe, Bárcena avaliou os progressos feitos por Cuba na implementação da Agenda 2030 e seu compromisso com um enfoque integral em matéria de desenvolvimento.

“A CEPAL, assim como o governo de Cuba, concordou em afirmar em diversas oportunidades a importância de um enfoque integral em matéria de desenvolvimento, ou seja, um desenvolvimento no qual avance a economia, com progresso social e respeito ao meio ambiente, o que dá lugar ao desenvolvimento sustentável”, afirmou a máxima representante da comissão regional.

Durante sua intervenção, a alta funcionária das Nações Unidas destacou a relação histórica entre CEPAL e Cuba, na qual prevaleceu o respeito e a confiança mútua.

Completou que, há dez anos, a CEPAL iniciou uma rodada de reflexão que colocou a igualdade no centro da agenda de desenvolvimento, com propostas para uma mudança estrutural progressiva.

“Hoje mantemos nossa convicção de que a América Latina e o Caribe devem continuar no caminho para a igualdade”, disse Bárcena.

Ela destacou que um Estado ativo que evite a precarização do público é condição fundamental para o desenvolvimento sustentável com igualdade. Além disso, reafirmou a preocupação do organismo diante do quadro mundial atual com tendências ao fortalecimento do protecionismo e do unilateralismo.

“Como nunca antes, os temas de pobreza, imigração, guerra e desigualdade são temas globais. A mudança climática e a ameaça representada pelas futuras gerações é por definição um tema que não reconhece fronteiras. Como nunca antes, a humanidade enfrenta a necessidade de cooperar globalmente sobre uma base multilateral e de respeito mútuo. Esta é uma causa com a qual a CEPAL comprometeu seus melhores esforços”, disse.

O Dia Nacional foi aberto por Rodrigo Malmierca, ministro de Comércio Exterior e do Investimento Estrangeiro de Cuba, que afirmou que o 37º período de sessões da CEPAL tem uma importância singular pela pertinência dos temas que serão abordados, por seu papel no desenvolvimento da América Latina e no Caribe e pela coincidência do aniversário de 70 anos do organismo regional.

Além disso, destacou a importância dos debates que ocorrerão esta semana, centrados no documento de posição da CEPAL “A ineficiência da desigualdade“, que a comissão apresentará oficialmente na quinta-feira (10).

Disse ainda que nas últimas sete décadas a CEPAL não apenas esteve presente, como foi protagonista, deu apoio e foi referência do pensamento econômico social da América Latina e do Caribe.

A atividade contou também com a participação de Stefano Manservisi, diretor-geral de Cooperação Internacional e Desenvolvimento da Comissão Europeia; Mario Pezzini, diretor do Centro de Desenvolvimento da OCDE; e Consuelo Vidal, coordenadora-residente das Nações Unidas em Cuba, entre outras autoridades.

Os participantes debateram em painéis que trataram temas como a implementação da Agenda 2030 e do desenvolvimento sustentável com igualdade e o investimento estrangeiro.

Também foi abordada a cooperação Sul-Sul, ocasião na qual a secretária-executiva da CEPAL destacou que a cooperação internacional deve levar em conta a agenda global de bens públicos, para a qual a cooperação horizontal, Sul-Sul e triangular ou trilateral são chave em uma perspectiva integrada.

“Além disso, a cooperação internacional deve buscar associações com o setor privado, bancos de desenvolvimento e a sociedade civil”, completou.

Paralelamente, foi realizada uma reunião na qual os países do Caribe abordaram, entre outras temáticas, a resiliência climática e a solidariedade regional.

O 37º período de sessões da CEPAL será aberto oficialmente nesta quarta-feira (8) pelo secretário-geral da ONU, António Guterres; pela secretária-executiva do organismo internacional; pelo chefe do gabinete presidencial do México, Francisco Guzmán; e por uma autoridade nacional cubana.

Clique aqui para acessar informações relevantes sobre a reunião.


Comente

comentários