CEPAL e Banco Mundial inauguram primeira escola para gestores de políticas de banda larga da América Latina

Representantes de sete países da região e especialistas de organismos internacionais irão discutir, até quinta (20/10), políticas de massificação da banda larga.

CEPAL e Banco Mundial inauguram primeira escola para gestores de políticas de banda larga da ALA primeira escola da América Latina voltada para gestores de políticas públicas de banda larga foi inaugurada pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), com o apoio do Banco Mundial, na última segunda-feira (17/10). A escola fica na sede da Comissão em Santiago (Chile) e recebe até a próxima quinta-feira (20/10) funcionários de governo de sete países da região para discutir o tema.

“Esperamos que essa escola contribua para os processos de integração regional e para a criação de um mercado de banda larga regional e independente, que contribua efetivamente na expansão das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) e gere impactos positivos que beneficiem a todos os habitantes da América Latina”, disse o Secretário Executivo Adjunto da CEPAL, Antonio Prado.

De acordo com o Observatório Regional de Banda Larga, lançado em maio deste ano pela CEPAL, os países da América do Sul apresentaram melhora na velocidade efetiva de acesso à internet de banda larga. A velocidade de upload (subir arquivos para a rede) registrou aumento de 64% entre janeiro de 2010 e agosto de 2011, enquanto a de download (baixar arquivos) verificou aumento de 75% no mesmo período.

A melhora, no entanto, não foi suficiente para vencer a distância em relação aos países desenvolvidos: na Europa a velocidade de upload é quase quatro vezes superior, enquanto a de download chega a ser três vezes mais veloz.

As atividades na nova escola integram as ações previstas no Diálogo Regional de Banda Larga, iniciativa lançada em junho de 2010. Participam do encontro em Santiago os responsáveis pelas políticas nacionais de banda larga da Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Paraguai e Peru.