Centro de políticas vinculado ao PNUD completa 15 anos de atividades no Brasil

O Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), vinculado ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), comemora 15 anos de atividade neste mês. Desde 2004, o Centro promove serviços e ferramentas para fortalecer as capacidades institucionais dos países, com o objetivo de apoiar o desenvolvimento, a implementação e a avaliação de políticas sociais e estimular o crescimento inclusivo.

Atualmente, o trabalho do IPC-IG inclui um conjunto variado de tópicos, englobando a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) — proteção social; desenvolvimento rural e agricultura; políticas de redução da pobreza e de desenvolvimento; desenvolvimento sustentável; crescimento econômico e desigualdade; educação; saúde e nutrição; crianças/ jovens; e gênero.

Atualmente, o trabalho do IPC-IG inclui um conjunto variado de tópicos, englobando a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: IPC-IG

Atualmente, o trabalho do IPC-IG inclui um conjunto variado de tópicos, englobando a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foto: IPC-IG

O Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), vinculado ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), comemora 15 anos de atividade neste mês. Desde 2004, o Centro promove serviços e ferramentas para fortalecer as capacidades institucionais dos países, com o objetivo de apoiar o desenvolvimento, a implementação e a avaliação de políticas sociais e estimular o crescimento inclusivo.

Um coquetel em Brasília (DF) na noite de quarta-feira (23) marcou o início das celebrações de aniversário. A representante-residente do PNUD e diretora em exercício do Centro, Katyna Argueta, participou do evento e lembrou que o IPC é fruto de uma bem-sucedida parceria entre PNUD e governo brasileiro, representado pelo Ministério da Economia e pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), com apoio da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), vinculada ao Ministério das Relações Exteriores.

“O crescimento do IPC ao longo dos anos – tanto no número de projetos quanto em suas áreas de atuação – reflete a qualidade do trabalho realizado pelo Centro. Ao longo desses 15 anos, o IPC atuou em mais de 120 projetos de fortalecimento de capacidades, produção e compartilhamento de conhecimento”, afirmou Argueta.

IPC-IG

O IPC-IG é um núcleo global de ponta para o diálogo sobre políticas inovadoras para o desenvolvimento, que tem como compromisso fornecer inovações institucionais para a redução da pobreza e da desigualdade. Desde o início de suas atividades, o IPC-IG elabora e fornece soluções específicas a diferentes países, de acordo com seus três pilares: produção do conhecimento, compartilhamento do conhecimento e fortalecimento de capacidades.

Ao longo dos últimos 15 anos, o IPC-IG executou um total de 124 projetos com parceiros em mais de 65 países, incluindo governos e instituições nacionais e internacionais em América Latina, África, Oriente Médio e Ásia.

Entre os principais produtos desses projetos, estão relatórios de pesquisa e publicações, consolidando o conhecimento acerca de políticas sociais. Entre outros serviços, o Centro é reconhecido por realizar mapeamentos, desenho, análise, monitoramento e avaliação de políticas sociais.

Atualmente, o trabalho do IPC-IG inclui um conjunto variado de tópicos, englobando a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) — proteção social; desenvolvimento rural e agricultura; políticas de redução da pobreza e de desenvolvimento; desenvolvimento sustentável; crescimento econômico e desigualdade; educação; saúde e nutrição; crianças/ jovens; e gênero.

História

Uma parceria entre PNUD e governo brasileiro foi firmada em 2002 para estabelecer as bases do Centro Internacional de Pobreza (International Policy Centre — IPC). Suas atividades iniciaram-se em 2004, e, em 2009, o Centro foi renomeado para Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo, para incorporar uma abordagem mais ampla em políticas de desenvolvimento.

Desde então, essa parceria tem sido fortalecida e, mais recentemente, o IPC-IG tem se beneficiado do apoio administrativo e operacional do escritório do PNUD no Brasil. Hoje, o Centro é hospedado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), recebendo contribuições substantivas de seus especialistas e pesquisadores.

Representante-residente do PNUD e diretora em exercício do IPC-IG, Katyna Argueta. Foto: IPC-IG

Representante-residente do PNUD e diretora em exercício do IPC-IG, Katyna Argueta. Foto: IPC-IG