Centro de Informação da ONU participa de evento de simulação com estudantes no Rio

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, participou na sexta-feira (29) na Pontifícia Universidade Católica (PUC) no Rio de Janeiro de edição de Modelo da Organização das Nações Unidas, ou MONU, simulação realizada por estudantes secundaristas universitários para simular o funcionamento da ONU e, assim, desenvolverem suas habilidades.

O XV Modelo Intercolegial de Relações Internacionais (MIRIN) realizado na PUC-Rio teve comitês sobre temas do âmbito da Organização Mundial da Saúde (OMS), como a garantia da saúde mental nos ambientes de trabalho e ensino; do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), como a guerra às drogas; entre outros.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, participou na sexta-feira (29) na Pontifícia Universidade Católica (PUC) no Rio de Janeiro de edição de Modelo da Organização das Nações Unidas, ou MONU, simulação realizada por estudantes secundaristas universitários para simular o funcionamento da ONU e, assim, desenvolverem suas habilidades.

Os MONU visam desenvolver as capacidades de jovens interessados em trabalhar no âmbito internacional, seja na carreira diplomática ou em tribunais internacionais. Os estudantes têm contato prático com a vivência em instituições de caráter supra-estatal e desenvolvem aspectos como a capacidade de argumentação, oratória e retórica, o entendimento sobre documentos e convenções internacionais, o poder de liderança e tomada de decisões, técnicas de negociação, entre outras práticas.

O XV Modelo Intercolegial de Relações Internacionais (MIRIN) realizado na PUC-Rio teve comitês sobre temas do âmbito da Organização Mundial da Saúde (OMS), como a garantia da saúde mental nos ambientes de trabalho e ensino; do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), como a guerra às drogas; entre outros.

“Realmente é uma inspiração para mim, um funcionário da ONU, ver tantos jovens entusiasmados para o nosso trabalho. Queremos ser uma organização dinâmica, perto das pessoas, sobretudo dos jovens, porque o futuro para o qual trabalhamos é para eles, e porque eles vão determinar o futuro”, disse Giuliano. “Não existem muitos funcionários brasileiros na ONU. Não sejam tímidos, perguntem, se informem e se candidatem”, completou.


Mais notícias de:

Comente

comentários