Centro de Excelência contra a Fome visita Gâmbia para tratar de agricultura familiar

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Representantes do Centro de Excelência contra a Fome — fruto de uma parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) — realizaram uma missão em Gâmbia no fim de janeiro (22 a 26) com o objetivo de identificar áreas e oportunidades para o PMA ampliar as capacidades dos agricultores familiares do país e intensificar a compra de alimentos produzidos por eles.

A insegurança alimentar e nutricional ainda é um problema sério em Gâmbia, e o PMA está comprometido a combater suas causas, ao mesmo tempo em que apoia o governo a criar uma rede de proteção sistemática para populações vulneráveis a desastres, como secas e inundações.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Representantes do Centro de Excelência contra a Fome — fruto de uma parceria entre o governo brasileiro e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) — realizaram uma missão em Gâmbia no fim de janeiro (22 a 26) com o objetivo de identificar áreas e oportunidades para o PMA ampliar as capacidades dos agricultores familiares do país e intensificar a compra de alimentos produzidos por eles.

A visita foi feita por Vinícius Limongi, especialista do Centro de Excelência contra a Fome, com Ali Aboulsalami, do escritório regional do PMA em Dacar.

Alinhada com as conclusões do processo de Revisão Estratégia Fome Zero de Gâmbia e com consultas locais, a missão avaliou o atual modelo de compras comunitárias, que envolve o repasse de recursos para as escolas comprarem alimentos localmente.

Como parte do processo de planejamento estratégico de país do PMA, a missão aconselhou o escritório sobre possíveis iniciativas que devem ser fortalecidas, além do processo de revisão sistemática da iniciativa.

Também foram avaliados os planos de ampliação de escala, possíveis modalidades de contratos que facilitem a compra de produtos de agricultores familiares e parcerias complementares que podem ser criadas para ampliar o apoio indireto aos agricultores.

A insegurança alimentar e nutricional ainda é um problema sério em Gâmbia, e o PMA está comprometido a combater suas causas, ao mesmo tempo em que apoia o governo a criar uma rede de proteção sistemática para populações vulneráveis a desastres, como secas e inundações.

O escritório de país do PMA está avaliando a interconexão entre produção de alimentos, má-nutrição, vulnerabilidade a desastres, desigualdade de gênero e capacidade governamental como parte de seu processo de planejamento.

Uma potencial contribuição do escritório do país do PMA em Gâmbia é o desenvolvimento de uma estratégia de fortalecimento de capacidades, com metas claras e um plano de ação. Outro aspecto crucial da cooperação do programa da ONU é a vinculação entre agricultores familiares e mercados estáveis, como o programa de alimentação escolar.


Mais notícias de:

Comente

comentários