Centro de energias renováveis para a África Ocidental é inaugurado em Cabo Verde

Centro para as Energias Renováveis e a Eficiência Energética (CEREE) ajudará a desenvolver os mercados das energias renováveis e da eficiência energética na África Ocidental, bem como formular políticas e elaborar planos de financiamento.

Foi inaugurado na semana passada, em Cabo Verde, um novo centro regional destinado a ajudar no desenvolvimento do potencial de energias renováveis da África Ocidental, anunciou a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), que está apoiando a iniciativa.

O Centro para as Energias Renováveis e a Eficiência Energética (CEREE), um organismo especializado da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), tem sede na Cidade da Praia, a capital de Cabo Verde, e conta com o apoio da UNIDO e dos governos da Áustria, Cabo Verde e Espanha.

O novo centro ajudará a desenvolver os mercados das energias renováveis e da eficiência energética na África Ocidental, formular políticas, reforçar capacidades e criar mecanismos de garantia de qualidade, bem como elaborar planos de financiamento. Também executará projetos de demonstração susceptíveis de ser ampliados à escala regional.

“Os sistemas energéticos que existem atualmente na região da CEDEAO não estão conseguindo apoiar as perspectivas de crescimento dos mais de 262 milhões de habitantes, especialmente as necessidades dos pobres. A criação do CEREE representa um marco fundamental nos esforços para acelerar a implantação de serviços e tecnologias baseados nas energias renováveis e na eficiência energética”, afirmou Yoshiteru Uramoto, assessor do Diretor-Geral da UNIDO.

“Investir em sistemas de energias renováveis e introduzir tecnologias baseadas na eficiência energética contribuirá para o desenvolvimento econômico e social da região, sem prejudicar o ambiente”, acrescentou.

Calcula-se que um total de 23 mil megawatts de potencial de produção de energia hidroelétrica em pequena e grande escala estejam concentrados em cinco Estados-Membros da CEDEAO, e apenas 16% desse potencial está sendo explorado.

A biomassa tradicional já é a principal fonte de energia da maioria pobre e representa 80% da energia total consumida para fins domésticos. Também existem recursos consideráveis em termos de energia eólica, energia das marés, energia térmica dos oceanos e energia das ondas. O potencial de energia solar da região é enorme.

A UNIDO está realizando uma série de projetos na África, em que fontes de energias renováveis – sistemas hidroenergéticos de pequena dimensão, gaseificação de biomassa, energia eólica, energia solar térmica e fotovoltaica – são utilizadas para promover o desenvolvimento de pequenas indústrias, especialmente nas zonas rurais, indústrias essas que contribuem para o crescimento e a redução da pobreza.

O organismo também criou um programa energético para 18 países da África Ocidental, incluindo todos os Estados-Membros da CEDEAO, financiado pelo Fundo Mundial para o Ambiente. O ECREE irá se tornar o principal organismo de execução do programa, que tem um orçamento de 150 milhões de dólares e se concentrará nas prioridades do acesso à energia e na eficiência energética em setores fundamentais da economia.


Comente

comentários