Centro da ONU visita Zimbábue para ajudar país a reformar sistemas de alimentação escolar

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O Centro de Excelência contra a Fome deu início nesta segunda-feira (17) a uma missão técnica ao Zimbábue. Objetivo é ajudar o país a desenvolver um programa nacional de alimentação escolar. Especialistas do organismo — vinculado ao Programa Mundial de Alimentos (PMA) — ficarão no país até 12 de maio para avançar na concepção de uma iniciativa que vai combinar as demandas dos colégios à oferta da agricultura local.

Centro da ONU ajuda Zimbábue a reformar sistemas de alimentação escolar. Foto: PMA/Brenda BartonCentro da ONU ajuda Zimbábue a reformar sistemas de alimentação escolar. Foto: PMA/Brenda Barton

Centro da ONU ajuda Zimbábue a reformar sistemas de alimentação escolar. Foto: PMA/Brenda Barton

O Centro de Excelência contra a Fome deu início nesta segunda-feira (17) a uma missão técnica ao Zimbábue. Objetivo é ajudar o país a desenvolver um programa nacional de alimentação escolar. Especialistas do organismo — vinculado ao Programa Mundial de Alimentos (PMA) — ficarão no país até 12 de maio para avançar na concepção de uma iniciativa que vai combinar as demandas dos colégios à oferta da agricultura local.

A visita à nação africana prevê a finalização de uma análise do atual sistema que fornece refeições em centros de ensino. A partir do levantamento, será discutido um plano de implementação dos novos programas de alimentação escolar do país.

Essa é a terceira missão do especialista do Centro, Daniel Melo, ao Zimbábue. Entre janeiro e fevereiro, ele esteve no país para preparar a análise e definir uma lista de recomendações. Os dois documentos serão agora apresentados ao Ministério da Educação e concluídos para servir de base às novas iniciativas.

Durante a viagem, oficiais do Centro de Excelência se reunirão com funcionários do governo, do escritório nacional do PMA, de agências internacionais de desenvolvimento e de organizações não governamentais. O Zimbábue também conta com a parceria do organismo da ONU para elaborar um orçamento da sua estratégia nacional de alimentação escolar.


Mais notícias de:

Comente

comentários