Centro da ONU exibe documentário sobre biodiversidade e alimentação saudável

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O Centro RIO+ exibiu em outubro (5), no Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, o documentário ‘Fonte da Juventude’. A exibição foi seguida de bate-papo com o diretor do filme, Estevão Ciavatta. Importante peça de conscientização sobre a conjuntura alimentar no Brasil, o filme traz entrevistas com José Graziano da Silva, chefe da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o chef Alex Atala e a culinarista Bela Gil. Obra está disponível na internet.

Estevão Ciavatta, diretor de A Fonte de Juventude, à direita. Rômulo Paes de Sousa, diretor do Centro RIO+. Foto: Centro RIO+/Brenda Sachiko

Estevão Ciavatta, diretor de A Fonte de Juventude, à direita. Rômulo Paes de Sousa, diretor do Centro RIO+. Foto: Centro RIO+/Brenda Sachiko

O Centro RIO+ exibiu em outubro (5), no Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, o documentário “Fonte da Juventude”. A exibição foi seguida de bate-papo com o diretor do filme, Estevão Ciavatta. Importante peça de conscientização sobre a conjuntura alimentar no Brasil, o filme traz entrevistas com José Graziano da Silva, chefe da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o chef Alex Atala e a culinarista Bela Gil. Obra está disponível na internet.

O longa aborda exemplos de como a biodiversidade pode ser combinada ao resgate da identidade cultural alimentar brasileira — o que contribui para promover longevidade e combater a má nutrição. A obra foi feita por iniciativa do laboratório de inovação social Novos Urbanos, com produção da Pindorama Filmes e direção de Estevão Ciavatta.

“Sem restringir dietas, ou mesmo dar receitas, a produção apresenta a biodiversidade como a chave para conhecermos os segredos da Fonte da Juventude”, diz Ciavatta. “É um filme propositivo, que complexifica os desafios do ambiente alimentar do Brasil e traz soluções encontradas por brasileiros de diferentes classes sociais.”

Outros entrevistados para o documentário incluem Gisela Solymos, psicóloga responsável pelo Centro de Recuperação e Educação Nutricional, e Maria Eduarda, nutricionista do Instituto Nacional de Câncer (INCA).

Público conversou sobre alimentação e sustentabilidade. Ao centro, de preto, o diretor Estevão Ciavatta com a placa do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de nº 2 da ONU — Fome Zero e Agricultura Sustentável. Foto: Centro RIO+/Brenda Sachiko

Público conversou sobre alimentação e sustentabilidade. Ao centro, de preto, o diretor Estevão Ciavatta com a placa do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de nº 2 da ONU — Fome Zero e Agricultura Sustentável. Foto: Centro RIO+/Brenda Sachiko

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil, assim como outros países em desenvolvimento, passa por uma transição. Ao mesmo tempo em que se observa uma redução contínua dos casos de desnutrição, são registradas prevalências crescentes de excesso de peso. A inversão tem produzido um aumento na incidência de doenças crônicas não transmissíveis e associadas às causas de morte mais comuns atualmente — a hipertensão arterial, as doenças cardiovasculares, diabetes e crescimento das ocorrências de algumas neoplasias malignas.

“Nesse cenário, o documentário vem como uma importante peça de comunicação e faz um convite para um diálogo sobre o ambiente alimentar, expande o olhar para entendermos a obesidade como uma externalidade de um encadeamento de relações. O problema é complexo, estamos descobrindo que a obesidade mata tanto quanto a fome”, explica Denise Chaer, diretora do Novos Urbanos.

O Novos Urbanos é uma plataforma de diálogo para a inovação social. Com mais de 40 instituições, a entidade construiu um mapa do ambiente alimentar brasileiro que serviu como base para o desenvolvimento do roteiro do filme. O documentário promove diálogos entre empresas, sociedade civil, academia e governo.

A transformação começa no prato

Um dos pontos discutidos em “Fonte da Juventude” é o fato de que frutas, verduras e legumes sumiram do prato dos brasileiros — e quem mais sofre com isso são as crianças. Para fomentar o diálogo nas escolas, o Novos Urbanos convidou a Universidade de São Paulo (USP) e o Centro de Recuperação e Educação Nutricional (CREN) para criarem roteiros de aulas dirigidos aos ensinos fundamentais I e II. O material está disponível gratuitamente na plataforma VideoCamp.

“Queremos criar uma mobilização a fim de estimular o consumo de frutas, legumes e verduras especialmente entre as crianças. A campanha Fonte da Juventude foi inspirada no plano nacional de segurança alimentar, que aponta o aumento do consumo de frutas, legumes e verduras como uma das principais ações para combater a obesidade”, acrescenta Denise.


Mais notícias de:

Comente

comentários