Centro da ONU e Instituto Butantan avaliam produção regional de remédios para envenenamento

O Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA), vinculado às Nações Unidas, participou neste mês de um encontro de especialistas latino-americanos sobre o fornecimento regional de soros para tratar envenenamento.

Realizado no Instituto Butantan, em São Paulo, o evento reuniu representantes de laboratórios da Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, México, Peru e Venezuela.

Cobra venenosa, a Surucucu é uma espécie que habita a Amazônia e é encontrada em vários países da América Latina. Foto: Flickr (CC)/Wayne W G

Cobra venenosa, a Surucucu é uma espécie que habita a Amazônia e é encontrada em vários países da América Latina. Foto: Flickr (CC)/Wayne W G

O Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA), vinculado às Nações Unidas, participou neste mês de um encontro de especialistas latino-americanos sobre o fornecimento regional de soros para tratar envenenamento. Realizado no Instituto Butantan, em São Paulo, o evento reuniu representantes de laboratórios da Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, México, Peru e Venezuela.

Um dos temas da reunião foi o combate e a prevenção de incidentes envolvendo cobras peçonhentas. Esse problema de saúde é considerado uma doença tropical negligenciada. Durante o seminário, gestores e pesquisadores debateram as estratégias da Organização Mundial da Saúde (OMS) para enfrentar esses episódios de envenenamento. Também foram discutidas as contribuições do PANAFTOSA, que presta assistência técnica aos países das Américas para fortalecer a resposta a casos de contaminação.

Os participantes avaliaram ainda a situação dos laboratórios oficiais de produção de antídotos. Ao longo das discussões, os especialistas buscaram identificar o papel que esses centros desempenham no abastecimento nacional e regional de soros. O encontro em São Paulo foi concluído com a apresentação de recomendações sobre como fortalecer essas instituições.