Centro da ONU conhece práticas de cultivo do algodão em Moçambique

O Centro de Excelência contra a Fome da ONU, com sede no Brasil, realizou uma visita de campo a Moçambique, onde pôde avaliar modelos de produção do algodão que são combinados ao cultivo de alimentos. Viagem fez parte do Além do Algodão, projeto do organismo internacional para combater a pobreza e a fome nas zonas rurais de quatro países africanos.

O algodão é produzido por mais de 150 países e é um dos 20 produtos mais exportados. Foto: Secom-MT/Mayke Toscano

O algodão é produzido por mais de 150 países e é um dos 20 produtos mais exportados. Foto: Secom-MT/Mayke Toscano

O Centro de Excelência contra a Fome da ONU, com sede no Brasil, realizou uma visita de campo a Moçambique, onde pôde avaliar modelos de produção do algodão que são combinados ao cultivo de alimentos. Viagem fez parte do Além do Algodão, projeto do organismo internacional para combater a pobreza e a fome nas zonas rurais de quatro países africanos.

Em Nampula, cidade do nordeste moçambicano, a consultora do centro, Marisete Araújo, conheceu o método de cultivo consorciado de algodão e milho, desenvolvido pelos próprios agricultores familiares da região. A especialista também coletou informações sobre outras boas práticas agrícolas, como um sistema de limpeza de água e de irrigação, também elaborado pelos camponeses. As atividades no município são realizadas em cooperação com Iniciativa de Comércio Sustentável (IDH, na sigla em inglês).

A iniciativa Além do Algodão busca apoiar agricultores familiares e instituições públicas em Benim, Moçambique, Quênia e Tanzânia, a fim de estimular a geração de renda e melhorar a segurança alimentar e nutricional em áreas rurais. Lançado em 2018, o projeto busca conectar os subprodutos do algodão – como o óleo da semente e a torta – e cultivos associados – como milho, sorgo e feijão – a mercados estáveis, inclusive a programas de alimentação escolar.

Uma das etapas do programa é a elaboração de projetos nacionais, com ações específicas para cada país participante. Para conceber esses planejamentos, o centro realiza viagens como a feita recentemente a Nampula. O Além do Algodão está sendo implementado pelo organismo da ONU, com a coordenação da Agência Brasileira de Cooperação e apoio do Instituto Brasileiro do Algodão.