Centro da ONU apoia continuidade dos programas de alimentação escolar durante a pandemia

Em apresentação online, Daniel Balaban, diretor do Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos (WFP) das Nações Unidas no Brasil, descreveu formas de manter os programas de alimentação escolar em funcionamento durante a pandemia de COVID-19, como transferências em dinheiro, cestas de alimentos, alimentos para levar para casa e refeições prontas.

“Temos todas as quatro modalidades em uso no Brasil no momento e os governos locais estão trabalhando duro para apoiar as crianças durante esse período”, afirmou.

Foto: WFP

Foto: WFP

Como fazer com que modalidades alternativas de alimentação sejam sustentáveis ​​e seguras durante a crise da COVID-19? No evento online organizado pela Global Child Nutrition Foundation (GCNF), os palestrantes compartilharam boas práticas, possíveis obstáculos e outras oportunidades para dar continuidade aos programas de alimentação para escolas que devem permanecer fechadas por mais tempo.

Em sua apresentação, Daniel Balaban, diretor do Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos (WFP) no Brasil, descreveu o trabalho do Centro no apoio a países e no compartilhamento de informações relevantes sobre modelos alternativos adotados no Brasil e em outras localidades.

Ele destacou que o WFP começou a apoiar países remotamente antes mesmo da pandemia, com o lançamento da metodologia de Apoio Remoto em 2019. Isso permitiu à organização continuar a apoiar países durante a pandemia, que impôs restrições de viagem em todo o mundo.

Balaban também falou sobre as principais alternativas para manter os programas de alimentação escolar em funcionamento durante a pandemia, como transferências em dinheiro, cestas de alimentos, alimentos para levar para casa e refeições prontas.

“Temos todas as quatro modalidades em uso no Brasil no momento e os governos locais estão trabalhando duro para apoiar as crianças durante esse período”, afirmou.

O diretor também mencionou outras formas de apoio que estão sendo oferecidas aos países, incluindo publicações, diretrizes, vídeos e apoio técnico remoto.

Ele encerrou suas observações convidando os participantes e o público a pensar em como cada um pode contribuir para mudar a maneira como fazemos as coisas, a fim de responder aos novos desafios que os países enfrentarão quando a epidemia terminar.

“Precisamos tirar proveito da pandemia e abrir nossa mente e fazer as coisas de maneira diferente, criando um novo mundo. É possível”, disse.

Assista ao webinar: