Centro da ONU ajudará Zimbábue a desenvolver estratégia nacional de alimentação escolar

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Dos dias 19 de janeiro a 10 de fevereiro, uma equipe do Centro de Excelência contra a Fome da ONU esteve no Zimbábue para analisar os sistemas de alimentação escolar do país. A visita foi a segunda missão técnica do organismo das Nações Unidas à nação africana. Agência vai ajudar governo a elaborar uma estratégia nacional de combate à desnutrição.

Centro da ONU vai ajudar Zimbábue a fortalecer sistemas de alimentação escolar. Foto: PMA/Rein Skullerud

Centro da ONU vai ajudar Zimbábue a fortalecer sistemas de alimentação escolar. Foto: PMA/Rein Skullerud

Dos dias 19 de janeiro a 10 de fevereiro, uma equipe do Centro de Excelência contra a Fome da ONU esteve no Zimbábue para analisar os sistemas de alimentação escolar do país. A visita foi a segunda missão técnica do organismo das Nações Unidas à nação africana. Agência vai ajudar governo a elaborar uma estratégia nacional de combate à desnutrição.

Durante as três semanas de viagem, o especialista do Centro, Daniel Melo, participou de reuniões com o ministro da Educação Primária e Secundária, além de conduzir entrevistas e consultas com equipes técnicas do governo. Encontros discutiram os desafios do Zimbábue para melhorar o fornecimento de refeições em centros de ensino.

O objetivo dos diálogos era obter informações para a elaboração de um diagnóstico — e também de recomendações — sobre os programas de alimentação escolar do país. A análise, que será finalizada em março, servirá de base para a estratégia nacional sobre o tema.

Também está prevista a publicação de um plano de implementação, que deverá ser lançado em meados de 2017. Segundo o Centro de Excelência, o documento apresentará uma comparação entre as diferentes modalidades de iniciativas de alimentação escolar, que podem ajudar o Zimbábue a ampliar seus próprios projetos e também a integrá-los à agricultura local.

A cooperação entre o Centro da ONU e as autoridades do Zimbábue conta ainda com a participação do escritório do Programa Mundial de Alimentos (PMA) no país africano.


Mais notícias de:

Comente

comentários