Centenas de pessoas arriscam retornar à Líbia na tentativa de chegar à Europa de barco

Agência de refugiados da ONU disse nesta terça-feira 17 que centenas de pessoas deslocadas, que se encontravam na Tunísia e no Egito, retornaram à Líbia com a intenção de embarcar rumo à Europa. “Todos estão conscientes do elevado número de mortos, mas disseram que não têm nada a perder. Um homem eritreu disse preferir morrer tentando chegar a um lugar seguro que continuar vivendo em perigo”, disse a porta voz do ACNUR.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados (ACNUR) disse nesta terça-feira (17) que centenas de pessoas deslocadas, que se encontravam na Tunísia e no Egito, retornaram à Líbia com a intenção de embarcar rumo à Europa.

“Entre eles há refugiados das comunidades somali, etíope e eritreia dos campos em Choucha, próximos à fronteira tunisina com a Líbia”, disse a porta voz do ACNUR, Melissa Fleming, aos jornalistas em Genebra.

Uma embarcação da guarda costeira italiana, carregando 142 pessoas resgatadas no mar após fugirem de Trípoli, se prepara para atracar no porto de Lampedusa. Qualquer pessoa realizando esta jornada marítima está arriscando sua vida. Foto: ACNUR/ F.Noy.

Uma embarcação da guarda costeira italiana, carregando 142 pessoas resgatadas no mar após fugirem de Trípoli, se prepara para atracar no porto de Lampedusa. Qualquer pessoa realizando esta jornada marítima está arriscando sua vida. Foto: ACNUR/ F.Noy.

O ACNUR tem discutido com essas comunidades os riscos envolvidos na navegação em alto mar assim como os que as pessoas enfrentam cruzando a fronteira para a Líbia. Em março, o ACNUR ficou sabendo, por meio da comunidade somali em Choucha, que dois somalis foram assassinados a tiros na Líbia após terem cruzado a fronteira da Tunísia.

Até o momento, aproximadamente 14 mil pessoas chegaram de barco a Itália e Malta vindas da Líbia. Deste número, cerca de 1,7 mil chegaram entre sexta e sábado. Baseados em relatos de sobreviventes e familiares, estima-se que mais de 1,2 mil pessoas que partiram em barco desde o dia 25 de março estejam desaparecidas.

O ACNUR se reuniu com refugiados em Trípoli que estão planejando realizar essa perigosa jornada marítima. “Todos estão conscientes do elevado número de mortos, mas disseram que não têm nada a perder. Um homem eritreu disse preferir morrer tentando chegar a um lugar seguro que continuar vivendo em perigo”, afirmou Fleming.

Muitos viveram na Líbia por vários anos, tendo ficado detidos por um período, e são originários de países como Eritréia e Somália, para onde um retorno seguro ainda não é possível.

A partir do diálogo com pessoas que chegaram à Itália, o ACNUR acredita que milhares de outras tentarão realizar esta travessia pelo mar. A maioria fez esta viagem em barcos superlotados e em condições precárias. Frequentemente não há capitão ou tripulação qualificada para operar o barco.

“O ACNUR pede mais uma vez que todas as embarcações no Mediterrâneo levem em conta que os barcos partindo da Líbia precisam de assistência e podem enfrentar situações de risco em algum ponto da jornada”, disse Fleming.

A porta voz também mencionou que o ACNUR esperava restabelecer uma presença internacional no oeste da Líbia em um futuro próximo. “Enquanto isso, nossos funcionários nacionais e parceiros estão desenvolvendo projetos para assistir os refugiados e solicitantes de refúgio”, disse.

“Pretendemos expandir esta assistência a fim de aliviar as dificuldades enfrentadas pelos refugiados. Vários deles nos disseram que a sobrevivência básica se tornou uma luta com a partida da população expatriada e o colapso da economia Líbia.

O ACNUR tem equipes de funcionários entrevistando solicitantes de refúgio e refugiados no Egito e na Tunísia para avaliar suas necessidades e, quando possível, encaminhá-los para o reassentamento em terceiros países.

Segundo Fleming, o ACNUR foi informado de que “pessoas que tinham sido encaminhadas para o reassentamento, após entrevistas na Líbia o ano passado, perderam suas vidas enquanto tentavam chegar à Europa recentemente. Pessoas no meio do processo de reassentamento e casos vulneráveis são priorizados no nosso cronograma de entrevistas”.

O ACNUR estima que seis mil pessoas nas fronteiras do Egito e da Tunísia precisarão ser reassentadas nos próximos meses, além de duas mil no Cairo. Até agora, 11 países de reassentamento ofereceram mais de 900 vagas de reassentamento. Além disso, os Estados Unidos ofereceram um numero significante, mas indeterminado, de oportunidades de reassentamento.