Casos de suspeita de cólera ultrapassam 500 mil no Iêmen, diz OMS

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Os casos de suspeita de cólera já ultrapassam 500 mil no Iêmen, disse nesta segunda-feira (14) a agência das Nações Unidas para a saúde, advertindo que a doença está se espalhando rapidamente devido à falta de água potável e de acesso à saúde.

“A epidemia de cólera no Iêmen, atualmente a maior do mundo, se espalhou rapidamente devido à deterioração das condições de higiene e saneamento e interrupções do abastecimento de água em todo o país”, afirmou a Organização Mundial da Saúde (OMS) em comunicado.

No hospital Al Sab’een Hospital em Sanaa, no Iêmen, médico atende menina doente de cólera. Foto: UNICEF/Fuad

No hospital Al Sab’een Hospital em Sanaa, no Iêmen, médico atende menina doente de cólera. Foto: UNICEF/Fuad

Os casos de suspeita de cólera já ultrapassam 500 mil no Iêmen, disse nesta segunda-feira (14) a agência das Nações Unidas para a saúde, advertindo que a doença está se espalhando rapidamente devido à falta de água potável e de acesso à saúde.

“A epidemia de cólera no Iêmen, atualmente a maior do mundo, se espalhou rapidamente devido à deterioração das condições de higiene e saneamento e interrupções do abastecimento de água em todo o país”, afirmou a Organização Mundial da Saúde (OMS) em um comunicado.

Cerca de 2 mil pessoas morreram desde o início da epidemia, no fim de abril, acrescentou a agência da ONU.

Segundo a OMS, as causas são o colapso do sistema de saúde, falta de água potável e uma acumulação de lixo, que não está sendo coletado nas principais cidades.

A escassez de medicamentos e suprimentos é “persistente e generalizada”, disse a OMS, acrescentando que os profissionais de saúde não são pagos há quase um ano.

“Os trabalhadores da saúde do Iêmen estão operando em condições impossíveis”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Esses médicos e enfermeiros são a espinha dorsal da assistência de saúde — sem eles, não podemos fazer nada no Iêmen. Eles precisam receber seus salários para que possam continuar a salvar vidas”, completou.

A ONU apoia parceiros na criação de clínicas de tratamento de cólera, reabilitação de instalações de saúde, fornecimento de suprimentos médicos e apoio aos esforços nacionais de assistência médica.

Em sua declaração, Tedros pediu uma solução política para o conflito no Iêmen.


Mais notícias de:

Comente

comentários