‘Cabe aos palestinos e israelenses escolher a paz’, destacou o secretário-geral da ONU em Ramala

Durante encontro com o presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, o chefe da ONU pediu o fim imediato da violência entre palestinos e israelenses. “A paz está correndo contra o tempo”, alertou Ban Ki-moon.

Nesta quarta-feira (21), durante visita à região da Palestina e de Israel, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, encontrou-se com o presidente palestino, Mahmoud Abbas. Foto: ONU / Rick Bajornas

Nesta quarta-feira (21), durante visita à região da Palestina e de Israel, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, encontrou-se com o presidente palestino, Mahmoud Abbas. Foto: ONU / Rick Bajornas

Em encontro com o presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, nesta quarta-feira (21), o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, afirmou que atitudes imediatas devem ser tomadas para evitar o agravamento da escalada de violência entre palestinos e israelenses. O chefe da ONU também chamou a atenção para a situação da Cisjordânia, onde a construção de assentamentos por Israel é “ilegal e apenas inflama as tensões” entre os lados do conflito.

Após reunião com o líder palestino, em Ramallah, Ban Ki-moon destacou que as hostilidades na região afastam, cada vez mais, o dia em que os palestinos conseguirão um Estado soberano. “A violência não é o caminho”, afirmou o chefe da ONU.

De acordo com o secretário, “a única maneira de acabar com a violência é através de um progresso real e visível na direção de uma solução política, incluindo um fim à ocupação e o estabelecimento de um Estado soberano palestino vivendo em paz e segurança com Israel e seus outros vizinhos”.

O chefe da ONU expressou preocupação com as agressões em locais sagrados da Jerusalém, que alimentaram a atual escalada de violência. Ban Ki-moon também ressaltou a situação da Cisjordânia e solicitou às lideranças de ambos os lados que parem de tomar decisões unilaterais que possam minar o alcance de uma solução pacífica de convivência. Apesar do compromisso da comunidade internacional com a criação de um acordo negociado, “cabe aos palestinos e israelenses escolher a paz”, alertou o secretário-geral.

Dando continuidade à sua visita ao Oriente Médio, Ban viajou para a Jordânia onde se encontrou com o rei Abdullah II em Amã, Na ocasião, reforçou a responsabilidade dos líderes árabes de “incentivar a calma e assegurar que a crise não perca o controle” na região. Também citou o papel da Jordânia como guardiã dos lugares sagrados em Jerusalém e as tensões recentes nessas localidades.