Brasileira líder de projetos da FAO defende exploração sustentável da madeira

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

‘Madeira sustentável é uma madeira que é produzida respeitando o ciclo da floresta e questões sociais do entorno. Quem sabe o valor que um produto florestal pode dar não devasta. Quem tira a floresta é aquele que não vive da floresta’, defende a brasileira e oficial sênior da FAO, Thaís Linhares-Juvenal.

Agricultora trabalha com madeira no Sri Lanka. Foto: Banco Mundial/Lakshman Nadaraja

Agricultora trabalha com madeira no Sri Lanka. Foto: Banco Mundial/Lakshman Nadaraja

A brasileira e oficial sênior da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Thaís Linhares-Juvenal, defende a exploração da chamada “madeira sustentável”. Para a especialista, é preciso acabar com mal-entendido sobre o uso produtivo de recursos florestais, associado ao desmatamento.

Em entrevista ao serviço de notícias em português das Nações Unidas em Nova Iorque, a ONU News, a dirigente lembra que as florestas ganharam destaque no cenário político internacional e nacional por uma questão negativa — a devastação do meio ambiente. A importância do tema permitiu reverter a tendência de destruição e voltar a ter um crescimento da cobertura vegetal.

Contudo, “isso (também) marginalizou os produtos florestais, sobretudo a madeira”, avalia Thaís. Uma das consequências foi a busca por novas matérias-primas, que não necessariamente são mais sustentáveis que a fibra das árvores.

“A madeira é um produto renovável, com baixa taxa de emissões (de gases do efeito estufa). Uma tora de madeira estoca carbono, não emite carbono. Mas o setor de construção civil passou fundamentalmente ao alumínio, ao PVC, que é atualmente baseado em combustíveis fósseis, ao aço”, explica a brasileira.

Para a especialista da FAO, é possível extrair das florestas uma “madeira sustentável”. “Madeira sustentável é uma madeira que é produzida respeitando o ciclo da floresta e questões sociais do entorno. As comunidades locais trabalham para a floresta. Quem sabe o valor que um produto florestal pode dar não devasta. Quem tira a floresta é aquele que não vive da floresta.”

A dirigente acrescenta que o uso de recursos naturais pode ser ecologicamente responsável, quando adotados preceitos que respeitem a rotação natural do meio ambiente e preservem os serviços ecossistêmicos e a biodiversidade.

“A gente precisa acabar com esse antagonismo entre produção, floresta e conservação ambiental. Não há antagonismo. O que há é uma necessidade de diálogo e conciliação com base em evidências”, ressalta Thaís. “O caminho para a sustentabilidade é um caminho que passa pelo diálogo, por políticas formuladas a partir de um entendimento claro das necessidades, que são as necessidades do ambiente, da economia, de alimentação, de emprego, de preservação.”

Ouça a entrevista na íntegra concedida por Thaís à ONU News:


Mais notícias de:

Comente

comentários