Brasil se compromete com cooperação humanitária e doa comida para 35 países

Desde 2011 o Brasil confirmou a doação de mais de 300 mil toneladas de comida para 35 países através do Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas. As contribuições brasileiras aumentaram de 1 milhão de dólares em 2007 para 75 milhões de dólares em 2012, fazendo desta nação sul-americana um dos maiores doadores do PMA, de acordo com representantes do governo e funcionários da ONU.

No Dia Mundial da Ação Humanitária celebrado anualmente no dia 19 de agosto, o Ministro Milton Rondó, Coordenador-geral de Ações Internacionais de Combate à Fome (CGFome) do Ministério das Relações Exteriores, destaca o sucesso do Brasil na redução da desnutrição e na retirada de mais de 30 milhões de pessoas da pobreza durante a última década, através do Programa Fome Zero. Rondó acrescenta que as políticas sociais brasileiras têm sido um modelo para países em desenvolvimento, contribuindo também para a promoção da cooperação horizontal.

“Após a renovação do compromisso brasileiro, por duas vezes, as doações de alimentos vão continuar em 2012 e 2013. Países como a Bolívia, Burundi, Congo (RDC), Etiópia, Gâmbia, Honduras, Uganda, Moçambique, Níger, Senegal e Zimbábue deverão receber em torno de 90 mil toneladas de arroz até o final deste ano”, diz Rondó.

Parceria

O Brasil vem desempenhando um papel crescente na assistência humanitária internacional, principalmente por meio de parcerias chamadas twinning, em que um país fornece alimentos e outro, ou mais de um parceiro, cobre os custos de transporte e distribuição. O valor total operacional de twinning atingiu quase 300 milhões de dólares.

Deste total, 140 milhões dólares correspondem ao valor das contribuições brasileiras em comida destinadas às operações do PMA, e 160 milhões de dólares representam os custos associados de entrega.

Impacto

No Haiti, mais de 24 mil toneladas de arroz e feijão brasileiros foram distribuídas para populações em situação de pós-desastre, como um ato de solidariedade e de apoio ao povo haitiano. Os custos de distribuição foram cobertos pela Espanha.

Em El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua, as commodities alimentares brasileiras foram distribuídas através de projetos específicos do PMA em parceria com a Austrália: merendas escolares e comida em troca por trabalho.

Mais de 65 mil toneladas de milho e feijão brasileiros chegaram às pessoas mais vulneráveis do Chifre da África desde que a fome na Somália foi declarada em julho de 2011.

Na região do Sahel na África Ocidental, onde as pessoas enfrentam uma grave crise de seca, mais de 32 mil toneladas de arroz do Brasil estão a caminho, sendo levadas em parceria com ECHO (Comissão Europeia para Ajuda Humanitária e Proteção Civil) e outros fundos.

Em Honduras, onde uma tempestade tropical devastou uma comunidade na região sul do país, famílias estão reconstruindo suas casas em troca de comida.

“Este é um sonho que se tornou realidade”, diz Mariano Muñoz, Honduras, que recebeu arroz e milho do Brasil em troca de mão de obra na reconstrução de casas. “Antes tínhamos uma casa pequena, agora estamos construindo uma maior. Isto me faz sentir muito orgulhoso […] e é graças à ajuda que temos recebido”.

Apoio do Brasil ao PMA vai além de contribuições em alimentos

O Centro de Excelência contra a Fome do PMA foi criado em parceria com o governo brasileiro para ajudar países na África, Ásia e América Latina no desenvolvimento de soluções sustentáveis de combate à fome. O principal objetivo do Centro é promover o diálogo de políticas e aprendizagem Sul-Sul sobre programas de alimentação escolar e segurança alimentar e nutricional.

“A parceria entre o Brasil e o PMA vai além da ajuda humanitária. Além de doar comida aos que precisam, queremos doar conhecimento técnico e assim, ajudar países pobres a alcançar a soberania alimentar”, diz Daniel Balaban, diretor do Centro de Excelência do PMA.

“Comprar de africanos para a África”

O Brasil tem ajudado os países africanos a aumentar a produtividade agrícola e o desenvolvimento rural, a fim de atingir a segurança alimentar. O Programa PAA África é uma iniciativa inovadora que expande financiamento para a compra local de alimentos na Etiópia, Níger, Malauí, Moçambique e Senegal, com o objetivo de beneficiar pequenos agricultores e pessoas mais vulneráveis.

Lançado em 2012 como uma iniciativa conjunta entre o governo brasileiro, o PMA e a FAO, o Programa se baseia na experiência acumulada pelo Brasil em seu próprio Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

“As experiências em programas de alimentação escolar, em que os alimentos são comprados a partir de pequenos agricultores locais podem enriquecer o debate entre o Brasil e os governos africanos em torno da promoção do direito à alimentação”, diz Balaban.

Sobre o PMA

O PMA é a maior agência humanitária do mundo lutando contra a fome em diferentes países. A cada ano, o PMA alimenta em média mais de 90 milhões de pessoas em mais de 70 países.

Siga o PMA Centro de Excelência contra a Fome no Twitter @WFP_CEAHBrazil ou visite nosso site: www.wfp.org/centre-of-excellence-hunger ou www.wfp.org

O PMA fornece RSS para jornalistas acompanharem os últimos comunicados de imprensa, vídeos e fotos que são publicados em WFP.org. Para mais detalhes veja: http://www.wfp.org/rss

Mais informações

Para outras informações e sobre a disponibilidade para entrevistas, por favor entre em contato (email: nome.sobrenome@wfp.org):
Mariana Hoffmann, WFP/Brasilia, Tel. +55 61 2193 8505, Cel. +55 61 9232 4841
Emilia Casella, WFP/Rome, Tel. +39 06 6513 3854, Cel. +39 347 9450634
Bettina Luescher, WFP/New York, Tel. +1 646 5566909, Cel. +1 646 8241112
Rene McGuffin, WFP/Washington, Tel. +1 202 6530010 ext. 1149, Cel. +1 202 4223383
Caroline Hurford, WFP/London, Tel. +44 20 72409001, Cel. +44 7968 008474