Brasil produziu 1,4 milhão de toneladas de resíduos eletrônicos em 2014, afirma novo relatório da ONU

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em 2014, mundo produziu cerca de 42 milhões de toneladas de lixo eletrônico. O Brasil é um dos poucos países da região a possuir legislação para lidar com o descarte de forma apropriada.

Coleta de lixo eletrônico. Foto: Flickr/papasiri.com (cc)

Coleta de lixo eletrônico. Foto: Flickr/papasiri.com (cc)

O acúmulo do lixo eletrônico no mundo cresce rapidamente, alcançando cerca de 42 milhões de toneladas em 2014. Este problema é ainda pior em países em desenvolvimento, onde muitas vezes não há recursos adequados para lidar com um descarte apropriado, causando danos ao meio ambiente e à saúde.

Para entender esse fenômeno, várias agências da ONU realizaram um estudo sobre a gestão do lixo eletrônico na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Uruguai e Venezuela. Os marcos regulatórios desses países foram analisados para orientar sobre a gestão  sustentável deste tipo de lixo na região da América Latina como um todo, em médio e longo prazo.

No continente latino-americano, afirma o documento intitulado Gestão Sustentável de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Eletrônicos na América Latina, o Brasil perde a liderança na quantidade de resíduos de aparelhos econômicos e eletrônicos apenas para os Estados Unidos, produzindo em 2014 a quantia de 1,4 milhão de toneladas. Dos 10 países analisados pelo estudo, apenas Colômbia, Peru, Brasil e Equador possuem marcos regulatórios para o descarte e tratamento adequado desses resíduos.

Além dos benefícios para a saúde e meio ambiente, o documento ressalta que uma melhor gestão pode gerar oportunidades econômicas, principalmente tendo em conta os minérios e materiais valiosos que podem ser recuperados desses resíduos, como ouro, prata e cobre. Para isso, propõe a capacitação dos países para lidar com o lixo eletrônico, a adoção de legislação específica, a sensibilização e participação popular sobre o descarte responsável e o incentivo a estratégias de reciclagem e aproveitamento de resíduos eletroeletrônicos.

O relatório, divulgado nesta terça-feira (19) foi elaborado pela Organização da ONU para a Educação, a Ciência e a Comunicação (UNESCO), a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), a Organização da ONU para o Desenvolvimento Industrial (ONUDI), a Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), a União Internacional de Telecomunicações (UIT), a Convenção de Basel e o Centro Regional Basileia para América do Sul (CRBAS).

Acesse o documento clicando aqui.


Mais notícias de:

Comente

comentários