Brasil libertou mais de 2,6 mil escravos só em 2010

Ministério do Trabalho e OIT desenvolvem diversos projetos de combate ao trabalho escravo, entre eles a capacitação técnica dos Grupos Especiais de Fiscalização Móvel.

Brasil libertou mais de 2,6 mil escravos só em 2010. Foto: OIT BrasilO Brasil libertou 2.617 pessoas que trabalhavam como escravos em 305 fazendas só em 2010, de acordo com relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Em 15 anos foram 39 mil resgatados, que receberam cerca de 62 milhões em reais em indenizações. A OIT, com apoio do Brasil, dos Estados Unidos e da Noruega, tem desenvolvido diversos projetos de combate ao trabalho escravo no país desde 2002.

As cooperações técnicas buscam, entre outras ações, a capacitação técnica de inspetores, promotores e policiais que atuam nos Grupos Especiais de Fiscalização Móvel (GEFM), criados em 1995 pelo Ministério do Trabalho. Ele são responsáveis por realizar visitas surpresas a propriedades, aplicar multas e resgatar pessoas submetidas a trabalho forçado, muitas delas crianças.

Quando a descoberta é particularmente séria e o proprietário se recusa a pagar as multas ou cria obstáculos para o GEFM, o Ministério do Trabalho pode solicitar o congelamento das contas bancárias e a prisão dos envolvidos.

Dentre os abusos registrados estão o endividamento dos trabalhadores – que devem pagar por alimentos a preços muito superiores aos praticados no comércio –, a presença de guardas armados, evidências de maus tratos, falta de higiene, salários baixíssimos e carga horária excessiva.