Brasil enviará oficiais do Exército para missão da ONU na República Democrática do Congo

O Brasil enviará em junho 13 oficiais e sargentos do Exército para atuarem na Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO).

Os militares vão treinar tropas da missão, especialmente as que compõem a Brigada de Intervenção (FIB, na sigla em inglês).

Os três objetivos da missão são a proteção de civis, estabilização do país e o apoio à implementação de paz, segurança e cooperação na República Democrática do Congo e na região.

Os militares devem iniciar suas atividades na MONUSCO em junho. Foto: Forças Armadas Brasileiras

Os militares devem iniciar suas atividades na MONUSCO em junho. Foto: Forças Armadas Brasileiras

O Brasil enviará oficiais e sargentos do Exército para atuarem na Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO). Segundo o Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEX), serão enviados 13 instrutores formados pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS).

O CIGS, sediado em Manaus (AM), prepara militares brasileiros para lidar com as dificuldades e perigos da guerra na selva, bem como planejar operações ofensivas e defensivas, de coordenação e cooperação com agências e de combate de resistência neste tipo de ambiente operacional.

O Centro oferece também um curso internacional de operações na selva, que já contou com a participação de militares de Alemanha, Bolívia, Canadá, China, Espanha, Estados Unidos, Índia, Japão, Nigéria, Peru, Polônia, Portugal, Reino Unido, Sri Lanka, Suécia, Vietnã, entre outros.

No fim de abril (29), os 13 militares a serem enviados à MONUSCO iniciaram a preparação para a missão no CIGS com treinamento em inglês, que ocorrerá até 10 de maio.

Em seguida, viajarão para o Rio de Janeiro (RJ) para avaliações físicas e psicológicas em centros especializados do Exército. Por fim, cumprirão o preparo específico para operações de paz no Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB).

O CCOPAB capacita militares, policiais e civis para atuarem nas missões de paz de acordo com as diretrizes estabelecidas pelas Nações Unidas, oferecendo diversos cursos, estágios e exercícios.

Os militares vão treinar tropas da MONUSCO, especialmente aquelas que compõem a Brigada de Intervenção (FIB, na sigla em inglês).

A expectativa é de que a instrução destes militares contribua para adestramento, equipamento e motivação das tropas, resultando em um melhor desempenho no combate e no cumprimento do mandato.

Atualmente, a MONUSCO tem mais de 1,3 mil agentes policiais e 4 mil civis atuando no terreno, além de 16 mil militares sob liderança do comandante da força, o general de divisão brasileiro Elias Martins Filho.

Os três objetivos principais da missão são a proteção de civis, estabilização do país e o apoio à implementação de paz, segurança e cooperação na República Democrática do Congo (RDC) e na região.

“O Brasil tem uma grande experiência militar, e os seus militares se destacam pelo seu profissionalismo e entusiasmo”, comentou Maurizio Giuliano, diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio). “Cada militar brasileira ou brasileiro que for para a RD Congo é uma excelente notícia para a população local – população frequentemente vulnerável que precisamos apoiar e defender.”


Comente

comentários