Brasil e OIT anunciam novo projeto de cooperação Sul-Sul

Dois países da África e dois da América Latina irão ser beneficiados por um projeto que tem como objetivo promover o trabalho decente na indústria do algodão, aprofundando a cooperação horizontal que o Brasil desenvolveu através da OIT ao longo da última década.

O novo projeto começará com a identificação de países produtores de algodão. Foto: Secom MT/ Mayke Toscano

O novo projeto começará com a identificação de países produtores de algodão. Foto: Secom MT/ Mayke Toscano

O programa de cooperação entre o Brasil e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) para promover a cooperação Sul-Sul e triangular canalizou mais de 20 milhões de dólares em uma década, principalmente para países da África e da América Latina, afirma relatório apresentado nesta quarta-feira (10) na 104ª Conferência Internacional do Trabalho, em Genebra (Suíça).

Este valor inclui 6,8 milhões de dólares de uma nova iniciativa de cooperação horizontal também anunciada em Genebra, num encontro que reuniu o Ministro do Trabalho e Emprego do Brasil, Manoel Dias, e representantes de organizações de empregadores e de trabalhadores do país.

“Nós consideramos o Brasil como um parceiro estratégico para promover o trabalho decente”, disse o Diretor Regional da OIT para a América Latina e o Caribe, José Manuel Salazar, referindo-se ao programa de cooperação que há muitos anos tem abordado questões como trabalho infantil, trabalho forçado, proteção social e migração, entre outros temas considerados prioritários pelos países beneficiários.

O novo projeto para a indústria de algodão, que representa o maior volume de recursos no âmbito do programa Brasil-OIT, “abordará questões que são essenciais para a OIT”, segundo Salazar.

O novo projeto começará com a identificação de países produtores de algodão que tenham interesse em participar da iniciativa. Os países selecionados irão desenvolver planos de trabalho com base nas experiências e conhecimentos que o Brasil e a OIT podem fornecer para ajudar a melhorar as condições de trabalho no setor, incluindo questões essenciais como ações para erradicar o trabalho forçado e o trabalho infantil.

Também haverá uma atenção especial à maneira em que as cadeias de fornecimento global operam, pois este é um tema chave para enfrentar os desafios do trabalho decente na indústria do algodão.

O Ministro Dias afirmou durante a IX Reunião de Revisão do programa de cooperação, realizada na sede da OIT em Genebra, que o Brasil e a OIT conseguiram formar uma “parceria excepcional”. Ele também destacou o interesse do Brasil em “compartilhar boas práticas com outros países em desenvolvimento que enfrentem desafios semelhantes”.

De acordo com um relatório apresentado em Genebra, entre 2005 e 2015 o programa de cooperação Sul-Sul Brasil-OIT administrou US$ 21,3 milhões, incluindo como beneficiários vários países na África e na América Latina, além do Timor Leste.