Brasil e FAO reforçam cooperação internacional para combate à fome e à pobreza

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano, e representantes do governo brasileiro assinaram na semana passada (17) em Roma, na Itália, uma carta de intenções para reforçar a continuidade da cooperação técnica promovida por meio de parceria entre FAO e Brasil.

Na ocasião, assinaram o documento pelo Brasil o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, e o diretor da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), Ruy Pereira. O compromisso se refere a projetos internacionais de compartilhamento de experiências e boas práticas de tecnologias e políticas públicas brasileiras com outros países do Sul Global em temas relacionados ao combate à fome e à pobreza.

Foto: PMA/Alejandro Chicheri

Foto: PMA/Alejandro Chicheri

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), José Graziano, e representantes do governo brasileiro assinaram na semana passada (17) em Roma, na Itália, uma carta de intenções para reforçar a continuidade da cooperação técnica promovida por meio de parceria entre FAO e Brasil.

Na ocasião, assinaram o documento pelo Brasil o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, e o diretor da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), Ruy Pereira. O compromisso se refere a projetos internacionais de compartilhamento de experiências e boas práticas de tecnologias e políticas públicas brasileiras com outros países do Sul Global em temas relacionados ao combate à fome e à pobreza.

Na última década, no âmbito do “Programa de Cooperação Sul-Sul Trilateral Brasil-FAO”, já foram desenvolvidas cerca de 30 iniciativas, com um aporte financeiro total de cerca de 60 milhões de dólares em favor de cerca de 27 países da América Latina, Caribe e África.

O encontro com o diretor-geral da FAO se deu às margens da 45ª Sessão Plenária do Comitê de Segurança Alimentar Mundial (CSA). Na ocasião, representantes das de instituições brasileiras deram exemplos de projetos, destacando a importância da cooperação técnica para o fortalecimento nacional das políticas brasileiras compartilhadas com outros países. “Por meio da cooperação, boas práticas saem do âmbito nacional e ganham dimensão global”, afirmou o diretor-geral da FAO.

Além da carta de intenções, o Brasil assumiu o compromisso de elaborar um documento reunindo as principais ações já desenvolvidas pelo governo brasileiro relacionadas à “Década de Ação das Nações Unidas para a Nutrição”. Representantes do Ministério da Saúde e do Ministério do Desenvolvimento Social citaram alguns exemplos de ações já em curso no Brasil. Para o diretor da FAO, o documento servirá como referência para países que quiserem desenvolver políticas.

Graziano destacou ainda as políticas brasileiras de alimentação escolar e de compras públicas da agricultura familiar, promovidas no âmbito do Plano Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Ele chamou a atenção para a necessidade de enfrentar, também no Brasil, o fenômeno da obesidade, que merece atenção especial e desenvolvimento de políticas públicas específicas.

O diretor da ABC, embaixador Ruy Pereira, reafirmou a disposição da agência em continuar trabalhando em conjunto com parceiros para o desenvolvimento de projetos em prol do desenvolvimento internacional. “Trabalhamos pelos povos e é isso que nos move”, concluiu.


Comente

comentários